Rádio Observador

PS

Inês de Medeiros: “Há deputados que não têm direito a nada, nem sequer a um fundo de desemprego”

5.332

A presidente da câmara de Almada alerta que há deputados que não têm direito a nada quando saem do Parlamento e antecipa um "ano infernal" com "muitas greves" por ser ano eleitoral.

Jorge Amaral

A presidente da câmara de Almada e antiga vice-presidente da bancada parlamentar do PS, Inês de Medeiros, considera “preocupante” que os deputados interrompam a sua carreira profissional para ir para a Assembleia da República e depois alguns destes eleitos saiam do hemiciclo e não tenham “direito a nada.” Em entrevista ao Público e à Rádio Renascença, a autarca adverte que a “desvalorização da passagem por deputado faz com que haja deputados que deixam de ser deputados e não têm direito a nada, nem sequer a um fundo de desemprego.”

Para Inês de Medeiros o facto de não existir uma garantia para os deputados após saírem do Parlamento — recorde-se que o subsídio de reintegração dos deputados acabou em 2005 por via da maioria socialista liderada por Sócrates — é algo “que pode fomentar a corrupção e o facto de os deputados terem vários empregos”. E acrescenta: “Isto deve ser dito claramente. O que é que alguém tem por se dedicar a certa altura à causa pública sem arruinar a sua vida? Estas são as questões essenciais”.

Sobre os últimos casos que afetaram a credibilidade dos deputados, a antiga deputada socialista — que também viu o seu nome envolvido em polémica por receber ajudas de custo como se vivesse permanentemente em Paris — diz que “evidentemente que os deputados têm que dar o exemplo, mas há uma desvalorização permanente do que é o trabalho parlamentar e isso é muito perigoso“.

Inês de Medeiros disse ainda ser “adepta” da geringonça, embora em Almada tenha preferido o PSD para ter uma maioria no executivo — por razões que se percebem no xadrez político de Almada, onde o PCP e PS são os grandes adversários. A autarca antecipa “um ano infernal“, que espera que não deite tudo a perder. “É ano de eleições, com imensas greves, cada um vai querer marcar a sua diferença. Mas era bom que este ano de campanha não viesse estragar a extraordinária vitória que foram estes anos de legislatura, até pela valorização do Parlamento que recuperou uma certa centralidade”, acrescentou.

Inês de Medeiros falou ainda de cultura na mesma entrevista e começou por fazer um elogio à ministra da Cultura, Graça Fonseca, de quem disse ser amiga. A atriz e antiga deputada, que chegou a ter o pelouro da Cultura na direção da bancada do PS,  considera no entanto que “existe um vazio” na cultura e defende “uma exceção cultural à semelhança do que se passa em França. Contratar um espetáculo e um melhoramento de via é praticamente a mesma coisa. Acredito neste conceito também para os trabalhadores da cultura. E depois há a questão orçamental. Melhorou um bocadinho, mas lamento que não se perceba que investir no sector cultural é investir na inovação, criação de riqueza”.

Questionada sobre se gostaria de ser ministra da Cultura, respondeu lembrando que não é um cargo fácil: “Não sei. Agora estou muito embrenhada em Almada e não costuma correr bem (risos). Mas desejo as maiores felicidades a quem está no cargo”. Em três anos o Governo de Costa já teve três ministros da Cultura.

Quanto aos desafios como autarca, Inês de Medeiros adverte: “A pressão imobiliária sobre Lisboa faz com que corramos [em Almada] o risco de ver aumentados os bairros de lata. Não é um problema que Almada possa resolver sozinha. Vamos ter, a certa altura, que construir novos programas com a Secretaria de Estado da Habitação.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)