Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo elogia relevo de Costa no xadrez europeu e estabilidade política do Governo

576

O presidente da República elogiou relevo do primeiro-ministro" no xadrez europeu e a "coordenada atividade externa" envolvendo o próprio, o ministro dos Negócios Estrangeiros e António Costa.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, intervém durante a cerimónia onde recebe cumprimentos de Ano Novo dos chefes de Missão, embaixadores e cônsules-gerais de Portugal

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, destacou esta quinta-feira o “relevo do primeiro-ministro”, António Costa, no xadrez europeu e a estabilidade política do Governo como fatores que permitiram o reforço significativo do “peso de Portugal” na Europa.

Na cerimónia de cumprimentos de Ano Novo dos chefes de missão, embaixadores e cônsules-gerais de Portugal acreditados junto de vários Estados e organizações internacionais, que decorreu esta quinta-feira no Antigo Museu Nacional dos Coches, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa avisou ainda que “qualquer que seja o veredito eleitoral” das legislativas deste ano, “a política externa portuguesa é e continuará a ser, no essencial, a mesma”.

“No plano europeu, o peso de Portugal reforçou-se significativamente pela sensatez das políticas e dos resultados financeiros, pela liderança do Eurogrupo, pelo relevo do primeiro-ministro no xadrez europeu, xadrez esse complexificado nos últimos meses e até pela estabilidade política, fazendo do chefe do Governo português um dos seis ou sete mais antigos da União Europeia no curto lapso de três anos”, elogiou.

Segundo o chefe de Estado, “não é fruto do acaso a intensíssima e coordenada atividade externa do Presidente da República, do primeiro-ministro e do ministro dos Negócios Estrangeiros, envolvendo em 2018 encontros com todas as principais potências globais e seus líderes”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)