O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, anunciou um plano de privatização na área das infraestruturas de transportes, prevendo que renda investimentos iniciais no valor de 7.000 milhões de reais (1.640 milhões de euros).

“Rapidamente atrairemos investimentos iniciais em torno de 7.000 milhões de reais, com concessões de ferrovia, 12 aeroportos e 4 terminais portuários. Com a confiança do investidor sob condições favoráveis à população resgataremos o desenvolvimento inicial da infraestrutura do Brasil”, escreveu Bolsonaro na rede social Twitter.

A transferência dos investimentos em infraestrutura para o setor privado, que Bolsonaro pretende incluir no seu primeiro programa de concessão, começou a ser analisada pelo Governo do ex-Presidente Michel Temer, que já havia desenvolvido estudos para estes projetos.

As concessões serão analisadas numa reunião com 22 ministros que Bolsonaro convocou para esta quinta-feira. Segundo informações do Palácio do Planalto, essa reunião foi convocada para analisar os planos que o Governo anunciará nos seus primeiros dias.

O assunto já foi abordado pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, que, no seu discurso de posse, na última quarta-feira, disse que vai tomar medidas para desbloquear investimentos no setor. O ministro da Economia, Paulo Guedes, também comentou no seu primeiro discurso no cargo, que as privatizações e concessões serão um dos “pilares” do programa económico liberal que pretende implementar.

Paulo Guedes, que recebeu apoio total de Bolsonaro para comandar a economia brasileira, é um defensor da redução do tamanho do Estado e de um ajuste fiscal severo pautado na contenção de gastos e privatização de todas as empresas que não são essenciais para o setor público.