Cinema

Três filmes para ver esta semana

Uma comédia negra vinda da Islândia, um drama interpretado por Maggie Gyllenhaal e "O Cavalheiro com Arma", o filme de despedida de Robert Redford, são as escolhas desta semana de Eurico de Barros

Há vizinhos em conflito em "A Árvore da Discórdia", um filme do realizador islandês Hafsteinn Gunnar Sigurðsson

Autor
  • Eurico de Barros

“A Árvore da Discórdia”

Da Islândia, um país cuja filmografia raramente pica o ponto nos cinemas portugueses (recordo o patusco “Carneiros”, de Grímur Hákonarson, que passou por cá há dois anos), chega-nos este “A Árvore da Discórdia”, uma comédia negra realizada por Hafsteinn Gunnar Sigurðsson. Dois casais de vizinhos desentendem-se por causa da árvore de grande porte que um deles exibe no jardim, e a querela vai subindo de tom e tomando aspetos cada vez mais desagradáveis e ridículos, chegando mesmo a envolver os animais de estimação de ambos (ainda por cima, um gosta mais de gatos enquanto que o outro pertence ao clube dos cães). É um filme competente e com alguns momentos tragicómicos bem desarrincados, embora o realizador se demore tanto tempo no subenredo da atribulada separação do filho do casal que tem a controversa árvore no jardim, como na história principal do conflito entre os vizinhos.

“A Educadora de Infância”

Maggie Gyllenhaal interpreta, neste “remake” americano de um filme israelita, Lisa Spinelli, uma educadora de infância novaiorquina que aspira a ser poeta e sente-se cada vez mais frustrada no seu dia-a-dia profissional, familiar e doméstico. Um dia, Lisa julga descobrir no pequeno Jimmy, um dos meninos que tem a seu cargo na escola, um poeta de imensa precocidade e espontaneidade, e começa a fazer tudo para o proteger, estimular, e divulgar publicamente. Só que essa dedicação torna-se dramaticamente obsessiva, sobretudo quando a resposta daqueles que a rodeiam, quer aos seus anseios artísticos pessoais, quer ao pretenso dom de Jimmy, não é a que ela deseja. Gyllenhaal é muito boa na dececionada e descompensada Lisa, e a realizadora Sara Colangelo não deixa que “A Educadora de Infância” resvale para terrenos previsivelmente sensacionalistas ou melodramáticos.

“O Cavalheiro com Arma”

Robert Redford fecha a sua carreira de ator de cinema com chave de ouro (estreou-se em “War Hunt”, um filme de guerra de 1962), personificando, neste filme de David Lowery baseado em factos reais, Forrest Tucker, um assaltante de bancos de longuíssima data, atividade a que se dedica como se fosse a vocação da sua vida, e se caracteriza por atuar da forma mais cavalheiresca e discreta possível.  Sempre elegantemente vestido e de chapéu, Tucker entra num banco de pasta na mão, dirige-se a um caixa ou ao gerente, mostra-lhes a arma que tem no bolso do casaco, pede-lhes para encher a pasta de notas e depois sai tão discreta e calmamente como entrou. Com Redford, contracenam aqui Sissy Spacek, Casey Affleck, Danny Glover e Tom Waits. “O Cavalheiro com Arma” foi escolhido como filme da semana pelo Observador, e pode ler a crítica aqui.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)