Rádio Observador

Angola

UNITA questiona experiência do novo governador de Luanda

Alcides Sakala, porta-voz da UNITA, diz que não sabe se o novo governador de Luanda, Sérgio Rescova, terá experiência suficiente para estar à frente de uma estrutura tão importante como é Luanda,

Alcides Sakala, o porta-voz e secretário para as Relações Exteriores da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA)

AMPE ROGÉRIO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A União Nacional para Independência Total de Angola (UNITA), maior partido na oposição angolana, questionou esta quinta-feira a “experiência” do novo governador de Luanda, Sérgio Luther Rescova, líder da Juventude do MPLA, partido no poder, para dirigir aquela “complexa” província.

“Luanda é uma cidade que tem grandes desafios, veremos o que o novo governador irá fazer, não sei se ele terá experiência suficiente para estar à frente de uma estrutura tão importante como é Luanda, mas o tempo dirá”, disse esta quinta-feira Alcides Sakala, porta-voz da UNITA, em declarações à agência Lusa.

O Presidente angolano, João Lourenço, exonerou na quarta-feira Adriano Mendes de Carvalho do cargo de governador da província de Luanda, nomeando para aquelas funções, Sérgio Luther Rescova, primeiro secretário nacional da Juventude do Movimento Popular de Libertação de Angola (JMPLA).

Para Alcides Sakala, trata-se da “habitual dança de cadeiras” a nível da presidência angolana, afirmando que João Lourenço “vem tentando acertar a sua estratégia”. “Mas, fica o benefício de dúvida para aferirmos depois”, atirou.

Questionado se anseia por dias melhores para capital angolana, província com cerca de sete milhões de habitantes, com a governação de Sérgio Luther Rescova, o também deputado à Assembleia Nacional falou em “ciclos incompletos” dos governadores de Luanda.

“O que temos verificado é que os governadores, muitas vezes, não terminam o seu ciclo de gestão da cidade e ficam depois programas incompletos, infelizmente tem sido assim”, salientou. Contudo, acrescentou, “sem tirar conclusões antecipadas fica o benefício da dúvida para vermos como é que ele poderá lidar com uma situação tão complexa que a gestão de uma cidade que tem milhões de habitantes”.

De acordo com uma nota da Casa Civil do Presidente da República, além de Luanda, o chefe de Estado exonerou na quarta-feira outros dois governadores provinciais: José Maria Ferraz dos Santos foi exonerado do cargo de governador da província do Cuanza Norte, sendo substituído nas funções por Adriano Mendes de Carvalho, até agora governador de Luanda. Igualmente por decreto presidencial, Eusébio Teixeira de Brito foi exonerado do cargo de governador da província do Cuanza Sul, tendo o Presidente angolano nomeado para aquelas funções o ex-deputado e antigo governador de Luanda (MPLA) Job Pedro Castelo Capapinha.

Na informação disponibilizada pela Casa Civil do Presidente não são apontadas explicações para estas mudanças, que acontecem quando Angola prepara as primeiras eleições autárquicas no país, previstas para 2020.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)