Rádio Observador

RTP

Bloco de Esquerda exige do Governo posição contra “retaliações” a precários da RTP

169

O Bloco de Esquerda considera "inaceitável e ilegítimo" as alegadas retaliações a que os precários da RTP estão a ser sujeitos e, por isso, exige uma tomada de posição por parte do executivos.

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins (D), durante um encontro com os trabalhadores precários da RTP

FERNANDO VELUDO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, exigiu esta sexta-feira que o Governo tome uma posição contra as alegadas “retaliações” descritas por trabalhadores precários da RTP que se candidataram ao processo de regularização de vínculos.

O Governo tem de agir. O processo do PREVPAP [Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários da Administração Pública] previa expressamente a proteção dos trabalhadores precários enquanto o processo se desenrola. E o que está a ser feito contraria o que foi legislado”, disse Catarina Martins.

Para a líder do Bloco, “a RTP é uma empresa pública que tem obrigação de seguir as diretrizes do Governo. Os administradores públicos receberam a informação no início do processo de que cumprir o PREVPAP e fazer a vinculação é uma obrigação”.

A coordenadora do BE, que falava aos jornalistas à margem de uma reunião que decorre em Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto, com dezenas de trabalhadores da RTP, sublinhou ser “inaceitável e ilegítimo” que “os trabalhadores estejam a receber retaliações”.

“Deve existir uma ação do Governo para não permitir que uma lei do parlamento, que serve para dar direitos a quem trabalha, seja usada para lhe retirar dignidade”, disse Catarina Martins.

Em causa está o PREVPAP, um programa criado pelo Governo de António Costa que tinha como data limite de conclusão o dia 31 de maio de 2018, mas que se tem prolongado no tempo.

De acordo com dados fornecidos aos jornalistas por Nelson Silva, da subcomissão de trabalhadores RTP-SA Porto, 130 trabalhadores desta empresa receberam parecer positivo da Comissão de Avaliação Bipartida (CAB), mas continuam a aguardar a integração. Já 261 aguardam para poder recorrer, sendo que 70 desses tiveram inicialmente parecer favorável da administração da RTP, mas posteriormente foram recusados.

Diana Anselmo, operadora de câmara, contou, por sua vez, que desde que se candidatou ao PREVPAP “a vida descambou a todos os níveis”, apontando que tanto ela como colegas deixaram de ser chamados com regularidade, sendo substituída, por exemplo, por colegas de Lisboa, o que acarreta acréscimo de despesas à empresa.

Este processo tornou-se muito desonesto. Fomos informados de como o processo ia decorrer, inscrevemo-nos e a partir dai a nossa vida descambou a todos os níveis. Estamos a ser substituídos para justificar que não somos necessários”, descreveu, avançando com dados sobre o número de trabalhadores precários que está a assegurar o funcionamento da RTP.

“Esta semana, por exemplo, na Praça da Alegria foram precisos seis operadores de câmara, quatro eram precários. No serviço de informação eram precisos três, dois eram externos. À noite foram precisos quatro e os quatro eram externos. Em 13 serviços de operadores de câmara, os precários cumpriram dez”, descreveu.

Também Hugo Levi, operador de câmara na RTP, descreveu situações semelhantes, lamentando que a empresa “não reconheça pessoas que trabalham todos os dias, respondem a chefias e têm tarefas atribuídas iguais a colegas do quadro como necessidades permanentes”.

“E estamos a falar do nome ‘RTP’, que, só por si, deveria valer na integridade e na seriedade. Aguardamos que o nosso processo seja revisto e esperamos que a senhora ministra da Cultura não permita que a CAB dite o nosso destino e o nosso futuro sem nos ouvir e sem analisar os nossos processos”, referiu o operador de câmara, segundo o qual a informação mais recente que os trabalhadores têm é de que os processos vão ser analisados até ao final de março.

Catarina Martins avançou ainda que o BE chamou a ministra da Cultura e a administração da RTP ao parlamento e vincou a necessidade de os processos serem revistos com celeridade, lembrando que o prazo para vinculação dos precários acabou em maio.

“Espero que quando forem ouvidos no parlamento, sejam ouvidos para dizer que o problema está resolvido. Esperamos que seja finalmente feita a avaliação que deve ser feita. Se a RTP, para funcionar todos os dias, para funcionar no Centro de Produção do Norte, precisa destes trabalhadores, então têm de ter direito a um contrato com vínculo. O processo pergunta se aquele trabalhador é necessário todos os dias para a RTP funcionar? Se ‘sim’ tem de ter avaliação positiva. E a RTP está a excluir pessoas de que precisa todos os dias”, disse a líder bloquista.

Esta situação já motivou protestos em Lisboa e no Porto e o envio de cartas ao Governo e grupos parlamentares. Noutra empresa de comunicação social com capital público, a agência Lusa, concorreram ao PREVPAP quase 50 trabalhadores precários, sendo que 25 receberam informação no final de novembro de que o seu processo está em fase de homologação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)