Os trabalhadores da Autoeuropa regressam esta sexta-feira ao trabalho, depois de uma paragem de produção que teve início no dia 22 de dezembro devido à falta de motores a gasolina, confirmou à agência Lusa fonte da empresa.

A paragem de produção na Autoeuropa nada teve que ver com a greve dos estivadores do Porto de Setúbal, em protesto contra o elevado número de trabalhadores em situação de precariedade, mas com dificuldades de resposta de alguns fornecedores da fábrica de Palmela.

Com a mediação do Ministério do Mar, o conflito laboral no Porto de Setúbal, que se arrastava desde o início de novembro do ano passado, foi ultrapassado com a assinatura de um acordo no passado dia 14 de dezembro.

Esse acordo permitiu a integração de 56 trabalhadores precários nos quadros de pessoal das empresas Operestiva e Setulsete e garantiu a preferência dos restantes na distribuição de trabalho, face a outros trabalhadores que ainda não trabalham no Porto de Setúbal.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Segundo o gerente da Operestiva, Diogo Marecos, após a resolução do conflito laboral, “a Autoeuropa exportou um total de 13 mil veículos a partir do Porto de Setúbal, no período de 14 a 31 de dezembro do ano passado”. “Neste momento, a Autoeuropa tem cerca de 1.500 viaturas no Porto de Setúbal e mais oito mil em diversos parques secundários, designadamente na Base Aérea do Montijo”, acrescentou.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/producao-da-autoeuropa/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”401″ slug=”producao-da-autoeuropa” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/producao-da-autoeuropa/thumbnail?version=1523889141343&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]