Donald Trump

“Vamos destituir este filho da p***”, diz congressista democrata sobre Trump

1.089

Recém-eleita congressista do Michigan usou a expressão "filho da p***" para se referir a Donald Trump. "Vou sempre dizer a verdade", disse ainda recusando-se a pedir desculpa.

AFP/Getty Images

Pouco depois de ter tomado posse na Câmara dos Representantes, a congressista Rashida Tlaib, eleita pelo partido democrata no estado do Michigan, saltou para as páginas dos jornais por se ter referido a Donald Trump de forma bastante ofensiva: “Vamos destituir aquele filho da p***”, disse no calor do discurso.

O momento aconteceu quando a congressista discursava para um grupo de pessoas num evento festivo e informal patrocinado pelo grupo progressista MoveOn, em Washington D.C. Segundo a CNN, foi quando Rashida Tlaib recordava o momento em que foi eleita para o Congresso, nas eleições intercalares de novembro passado, que usou aquela expressão difamatória para se referir ao presidente dos EUA.

“Quando o teu filho olha para ti e diz ‘mãe, olha, ganhaste, os bullies perderam’, eu olho para ele e digo ‘querido, eles não vão ganhar porque nós vamos chegar lá e vamos destituir aquele filho da p***'”, disse esta quinta-feira, referindo-se a um impeachment a Donald Trump. O momento do discurso foi partilhado inicialmente no Twitter, em vídeo, por Nestor Ruiz, um ativista do grupo United We Dream. Entretanto, o vídeo já não se encontra no Twitter, mas o jornal Daily Mail publicou-o.

A congressista do Michigan, que é a primeira mulher americana-palestiniana a chegar ao Congresso norte-americano recusou-se a pedir desculpa pelo uso do palavrão, usando o Twitter para garantir que iria sempre “dizer a verdade”. Uma hora depois voltaria ao Twitter para insistir: “Isto não é apenas sobre Donald Trump. É sobre todos nós. Numa altura de crise constitucional, temos de nos erguer”, escreveu.

Tlaib tem sido, de resto, uma das maiores defensora do impeachment de Donald Trump, apesar de a posição oficial dos democratas no Congresso ser bastante mais cautelosa quanto a um pedido de destituição do presidente norte-americano.

As palavras duras da recém-eleita representante dos democratas levaram o líder da minoria republicana na Câmara dos Representantes, Kevin Mccathy, a instar a porta-voz do Congresso, Nancy Pelosi a demarcar-se do uso daquele palavreado. Numa entrevista à NBC News, contudo, Pelosi recusou-se a censurar as palavras de uma congressista democraticamente eleita. “Não estou no negócio da censura”, disse, defendendo que as palavras de Rashida Tlaib não eram “piores” do que o “típico vernáculo” do presidente Trump.

Também o gabinete da congressista emitiu esta sexta-feira uma nota a justificar as palavras de Rashida Tlaib. “A congressista acredita absolutamente que é preciso um impeachment. Ela candidatou-se e ganhou deixando isso bem claro perante os eleitores do seu distrito. As ações de Donald Trump prejudicaram o Michigan e o país, e a congressista Tlaib não vai ficar em silêncio enquanto o impeachment não acontecer”, lia-se na nota.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)