Donald Trump

“Vamos destituir este filho da p***”, diz congressista democrata sobre Trump

1.089

Recém-eleita congressista do Michigan usou a expressão "filho da p***" para se referir a Donald Trump. "Vou sempre dizer a verdade", disse ainda recusando-se a pedir desculpa.

AFP/Getty Images

Pouco depois de ter tomado posse na Câmara dos Representantes, a congressista Rashida Tlaib, eleita pelo partido democrata no estado do Michigan, saltou para as páginas dos jornais por se ter referido a Donald Trump de forma bastante ofensiva: “Vamos destituir aquele filho da p***”, disse no calor do discurso.

O momento aconteceu quando a congressista discursava para um grupo de pessoas num evento festivo e informal patrocinado pelo grupo progressista MoveOn, em Washington D.C. Segundo a CNN, foi quando Rashida Tlaib recordava o momento em que foi eleita para o Congresso, nas eleições intercalares de novembro passado, que usou aquela expressão difamatória para se referir ao presidente dos EUA.

“Quando o teu filho olha para ti e diz ‘mãe, olha, ganhaste, os bullies perderam’, eu olho para ele e digo ‘querido, eles não vão ganhar porque nós vamos chegar lá e vamos destituir aquele filho da p***'”, disse esta quinta-feira, referindo-se a um impeachment a Donald Trump. O momento do discurso foi partilhado inicialmente no Twitter, em vídeo, por Nestor Ruiz, um ativista do grupo United We Dream. Entretanto, o vídeo já não se encontra no Twitter, mas o jornal Daily Mail publicou-o.

A congressista do Michigan, que é a primeira mulher americana-palestiniana a chegar ao Congresso norte-americano recusou-se a pedir desculpa pelo uso do palavrão, usando o Twitter para garantir que iria sempre “dizer a verdade”. Uma hora depois voltaria ao Twitter para insistir: “Isto não é apenas sobre Donald Trump. É sobre todos nós. Numa altura de crise constitucional, temos de nos erguer”, escreveu.

Tlaib tem sido, de resto, uma das maiores defensora do impeachment de Donald Trump, apesar de a posição oficial dos democratas no Congresso ser bastante mais cautelosa quanto a um pedido de destituição do presidente norte-americano.

As palavras duras da recém-eleita representante dos democratas levaram o líder da minoria republicana na Câmara dos Representantes, Kevin Mccathy, a instar a porta-voz do Congresso, Nancy Pelosi a demarcar-se do uso daquele palavreado. Numa entrevista à NBC News, contudo, Pelosi recusou-se a censurar as palavras de uma congressista democraticamente eleita. “Não estou no negócio da censura”, disse, defendendo que as palavras de Rashida Tlaib não eram “piores” do que o “típico vernáculo” do presidente Trump.

Também o gabinete da congressista emitiu esta sexta-feira uma nota a justificar as palavras de Rashida Tlaib. “A congressista acredita absolutamente que é preciso um impeachment. Ela candidatou-se e ganhou deixando isso bem claro perante os eleitores do seu distrito. As ações de Donald Trump prejudicaram o Michigan e o país, e a congressista Tlaib não vai ficar em silêncio enquanto o impeachment não acontecer”, lia-se na nota.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Greve

O povo é quem mais ordena e a CGTP está fora /premium

André Abrantes Amaral

Quando os motoristas de matérias perigosas param o país e não se revêem na CGTP é a própria Concertação Social que está posta em causa, o que revela o quanto a geringonça distorceu esta democracia.

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
143

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)