China

Presidente chinês ordena às forças armadas que estejam prontas para a guerra

636

A China quer a "reunificação" entre o país e Taiwan e não exclui o uso da força para a obter. A presidente de Taiwan já reagiu: Esperamos que a comunidade internacional leve a sério e nos ajude".

O presidente chinês reuniu com as forças armadas e a mensagem que lhes enviou está a colocar em alerta a comunidade internacional

MARK SCHIEFELBEIN / POOL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente da China ordenou às forças armadas que se preparem para o combate e a guerra, por considerar que o país enfrenta riscos e desafios sem precedentes, noticiou o jornal South China Morning Post (SCMP).

De acordo com o diário de Hong Kong, o discurso de Xi Jinping foi proferido na sexta-feira, numa reunião de altos funcionários da Comissão Militar Central (CMC), também sob comando do líder chinês, e transmitido mais tarde na televisão nacional.

Xi Jinping exortou todas as unidades do Exército Popular de Libertação a “compreender corretamente as principais tendências da segurança nacional e do desenvolvimento” e a “reforçar os seus sentidos para adversidades, crises e batalhas inesperadas”.

O líder chinês ressaltou ainda que esta é uma era de “mudanças drásticas”, na qual crescem “riscos e desafios imprevisíveis”.

“A preparação para a guerra e o combate devem ser aprofundados para garantir uma resposta eficiente em tempos de emergência”, sublinhou.

Na mesma reunião, o Presidente chinês assinou o primeiro comando militar de 2019, que dará início a um ano de treino e exercícios militares reforçados.

O discurso foi feito poucos dias depois de o presidente norte-americano Donald Trump ter assinado uma lei que reafirma o compromisso dos EUA com a segurança da região. O presidente chinês já havia afirmado anteriormente que ninguém pode mudar o facto de Taiwan fazer parte da China, que as populações dos dois países devem procurar a “reunificação” e que a China tem o direito de usar a força para chegar a essa “reunificação”.

Taiwan: “Esperemos que a comunidade internacional leve a sério”

A Presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, apelou à comunidade internacional para apoiar Taiwan e a sua democracia perante a crescente pressão da China sobre a ilha.

“Esperamos que a comunidade internacional leve a sério e dê apoio e nos ajude”, disse Tsai, numa conferência de imprensa, referindo-se ao discurso da passada quarta-feira do presidente chinês, Xi Jinping, no qual assegurou que Taiwan “deve ser e será reunificada” com a China, objetivo para o qual não afastou o uso da força.

A mandatária considerou as palavras de Xi Jinping como um ataque à democracia e à liberdade de Taiwan e questionou qual seria o próximo país democrático a ser pressionado pela China.

Tsai pediu a Pequim para adotar uma “perceção correta” sobre o que sentem e pensam os taiwaneses e afirmou que as pressões e ameaças chinesas são contraproducentes e afetam negativamente os laços bilaterais.

A presidente de Taiwan,  Tsai Ing-wen (@ TAIWAN PRESIDENTIAL OFFICE HANDOUT/EPA)

A Presidente adiantou que no discurso de se escondiam “dois perigos fundamentais para a liberdade e para a democracia” de Taiwan, por recusar a existência política e ignorar o Governo de Taiwan como interlocutor.

Taiwan não pode aceitar as premissas chinesas de Xi Jinping “uma só China” e de “um país, dois sistemas”, particularmente no contexto do denominado “Consenso de 1992”, que deixam claras as “suas intenções políticas face a Taiwan e os seus passos para a unificação”, afirmou a responsável do Executivo.

Essas máximas supõem “um grande desprezo pelo facto de que Taiwan existe e está em pleno funcionamento, como todos os outros países democráticos”.

A mandatária também rejeitou o plano chinês de negociar com “os partidos políticos em vez de com o Governo eleito democraticamente de Taiwan”, que considerou como parte da campanha de Pequim para “minar e subverter o processo democrático e criar divisão na sociedade.”

Tsai adiantou que, como “Presidente eleita democraticamente”, deve “defender a democracia, a liberdade e o estilo de vida” da ilha, que “formam parte fundamental” da identidade nacional de Taiwan.

Todos os partidos políticos de Taiwan recusaram tanto a interpretação que faz Pequim de “uma só China” como a fórmula de “um país, dois sistemas” aplicado por Pequim em Hong Kong.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)