Futebol

Supertaça italiana na Arábia Saudita: mulheres só podem ver o Juventus-Milan em algumas bancadas

Dia 16 a Juventus de Ronaldo e o Milan de Gattuso disputam a Supertaça italiana. É uma final diferente. Joga-se no estádio Cidade Desportiva Rei Abdullah, com mulheres, mas nos lugares mais afastados.

O jogo entre o Al-Ahli e Al Baten da temporada passada, realizado em janeiro do ano passado, foi o primeiro que pôde ser visto por mulheres sauditas

AFP/Getty Images

Sete milhões de euros: de acordo com a agência de notícias Ansa, este foi sido o valor que convenceu a federação italiana de futebol a levar para a Arábia Saudita a sua Supertaça, não apenas na edição deste ano, já a 16 de janeiro, mas em três das próximas cinco edições. O negócio que vai rechear os cofres da organização que gere o futebol italiano surpreendeu tudo e todos, mas a polémica maior estava por chegar: para o jogo que vai opor a Juventus ao AC Milan no estádio Cidade Desportiva Rei Abdullah, localizado a 60 quilómetros a norte da cidade de Jeddah, as mulheres terão zonas do estádio interditas, podendo apenas comprar bilhetes para bancadas com menor visibilidade para o relvado.

O modelo de venda de bilhetes do estádio saudita é complexo. Por um lado, há um modelo de bilhete para bancadas próximas do relvado que é exclusivo a espetadores “individuais”… homens. Os restantes bilhetes, a que as mulheres poderão ter acesso, são para zonas do estádio com menor visibilidade para o terreno de jogo.

A interpretação das regras de vendas de bilhetes chegou a originar alguns mal entendidos. Numa primeira fase, entendeu-se que as mulheres que se deslocassem sozinhas ao estádio Cidade Desportiva Rei Abdullah para assistir ao jogo entre as duas equipas italianas teriam a entrada barrada. Matteo Salvini, atual ministro do Interior e militante do partido de extrema-direita Liga Norte, interpretou assim o regulamento e indignou-se, através de uma mensagem no Facebook. “Que a Supertaça italiana se jogue num país islâmico onde as mulheres não podem ir ao estádio se não forem acompanhadas por um homem é uma tristeza, um asco. Este jogo não vejo. (…) Um futuro parecido em Itália para as nossas filhas não o quero”.

Matteo Salvini, o ministro do Interior de Itália, mostrou-se muito crítico da opção de realizar a Supertaça de futebol do país na Arábia Saudita (@ ETTORE FERRARI/EPA)

Afinal, segundo o presidente da Liga Italiana (também conhecida como Serie A), Gaetano Micciché, as mulheres vão poder entrar sozinhas no estádio. O que ainda não foi possível perceber é se não terão de comprar bilhetes mais caros (familiares) para o poder fazer. Micciché, no entanto, defendeu o acordo que levou a Supertaça italiana a realizar-se em terreno saudita. Disse que “será uma primeira vez histórica”, referindo-se à permissão da entrada de mulheres sozinhas no estádio, e apontou: “Cada mudança requer tempo, paciência e vontade de confrontação com mundos distantes”.

A decisão de levar o futebol para zonas com culturas e modos de governo diferentes não é uma decisão exclusivamente italiana. O desporto precisa de plateias globais para crescer. Vamos disputar uma competição oficial num país que tem as suas próprias leis, estabelecidas há anos, e onde as tradições locais impõem vínculos que não se podem mudar da noite para o dia”, referiu Micciché.

O presidente da Serie A relembrou que só recentemente foi permitida a entrada de mulheres em estádios de futebol da Arábia Saudita. E afirmou com orgulho que “a nossa Supertaça vai ser recordada como a primeira competição oficial internacional que as mulheres da Arábia Saudita podem ver em pessoa” e garantiu que a organização que tutela o futebol italiano está a trabalhar “para que nas próximas edições que forem jogadas nesse país as mulheres possam aceder a todos os lugares do estádio”. Apesar das justificações do principal líder do futebol italiano, as críticas têm-se multiplicado nas redes sociais e nos jornais italianos, sendo Micciché acusado amiúde de ter trocado os valores fundadores das democracias ocidentais (entre as quais a italiana) por dinheiro.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)