Eduardo Bolsonaro, filho do presidente do Brasil, pediu aos professores do ensino secundário para evitarem temas como o feminismo e línguas que não a língua portuguesa. Aquele que no Twitter se diz o “deputado federal mais votado na história do Brasil no segundo mandato por São Paulo”, além de advogado, publicou na rede social o seguinte comentário:

Atenção professores: seu aluno que inicia agora o 1º ano do ensino médio não precisa saber sobre feminismo, linguagens outras que não a língua portuguesa ou história conforme a esquerda, pois o vestibular dele será em 2021 ainda sob a égide de pessoas da estirpe de Murilo Resende.”

O comentário que surge em resposta a um tweet de Jair Bolsonaro cita Murilo Resende, o novo diretor de Avaliação da Educação Básica, órgão responsável pelo Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e do Saeb (Sistema de Avaliação da Educação Básica). O novo diretor, escreve o Jornal Globo, foi aluno do curso online de Olavo de Carvalho, “guru de setores da direita e do clã Bolsonaro”.