O dia 16 de dezembro, oito dias antes da véspera de Natal, não foi um dia normal para o futebolista inglês Wayne Rooney. O antigo avançado do Manchester United, também ex-capitão da seleção inglesa de futebol, foi detido no condado de Loundoun, no estado da Virgínia, sendo depois libertado. A detenção deveu-se aos crimes de “intoxicação pública” — existente nos Estados Unidos da América e referente a comportamentos desordeiros originados pelo consumo de álcool ou drogas ilegais (a imprensa local não explicita o tipo de substâncias ingeridas pelo jogador) — e utilização de palavrões no espaço público.

A notícia foi avançada pela estação Sky News, que publicou ainda — nas suas contas oficiais e no perfil da repórter Rebecca Williams — uma fotografia de Wayne Rooney tirada após a detenção.

A detenção foi efetuada pela agência que monitoriza e assegura a segurança dos aeroportos de Washington D. C., a  Metropolitan Washington Airports Authority Police (MWAA). Curiosamente, a sede da agência fica muito perto do estádio do clube de futebol que Wayne Rooney representa atualmente, o D.C. United, do campeonato norte-americano Major League Soccer (MLS).

O avançado de 33 anos que partilhou o balneário com os portugueses Cristiano Ronaldo e Nani no Manchester United (mais recentemente, também com o treinador José Mourinho) foi levado à esquadra e acabou por ser libertado sem fiança, por se ter comprometido a estar presente em tribunal e a não se envolver em mais comportamentos criminosos. Rooney terá pago apenas uma multa de 25 dólares, perto de 22 euros à taxa de câmbio atual. Foi ainda obrigado a pagar 91 dólares (cerca de 80 euros) relativos a custos judiciais.

Erin Hawksworth, jornalista que trabalha em Washington para o órgão ABC 7 News, revelou ainda um ficheiro do processo da detenção do jogador inglês, onde é corroborada as causas da detenção avançadas pela Sky News.

Há perto de um ano e meio, Wayne Rooney declarou-se culpado de um crime grave de condução sob o efeito de álcool em Wilmslow, Inglaterra. Quando foi apanhado pela polícia, o antigo jogador dos “red devils” tinha um nível de álcool no sangue perto de três vezes superior ao máximo permitido por lei. Rooney ficou proibido de conduzir por um período de dois anos.