Rádio Observador

Óscares

Ellen DeGeneres defende regresso de Kevin Hart à cerimónia dos Óscares

Depois de ter abdicado de apresentar a cerimónia dos Óscares, o ator e comediante deu uma entrevista a Ellen DeGeneres onde explicou tudo. Ellen ligou à Academia a pedir o regresso de Hart.

A entrevista de Ellen DeGeneres a Kevin Hart foi transmitida na passada sexta-feira

Christopher Polk

Foi durante uma entrevista a Kevin Hart, na sexta-feira, que Ellen DeGeneres defendeu o regresso do ator e comediante para a apresentação da cerimónia dos Óscares de 2019, depois de Hart ter abdicado do papel devido à polémica com tweets que escreveu há cerca de oito anos. A apresentadora revelou durante o seu talk show que ligou a alguém da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood a pedir que o norte-americano fosse reconsiderado como o apresentador da cerimónia. “Estava tão entusiasmada quando ouvi que te fizeram o convite. Pensei que era uma coisa ótima. Sabia o quão importante era e como era um sonho”, disse Ellen durante a entrevista.

Liguei para eles [para a Academia] e disse: ‘O Kevin é uma hipótese’, mas disse que não fazia ideia se ele quer ou não voltar a apresentar. ‘Qual é a vossa opinião?’ Eles responderam: ‘Queremos que ele apresente. Sentimos que talvez tenha compreendido erradamente, tenha sido visto erradamente ou talvez tenhamos dito algo errado, mas queremos que ele apresente'”, contou Ellen DeGeneres durante o programa de sexta-feira.

Kevin Hart, recorde-se, foi anunciado no início de dezembro do ano passado como o apresentador da cerimónia dos Óscares de 2019. No entanto, umas horas depois, o ator e comediante começou a ser alvo de várias críticas por afirmações que fez há cerca de oito anos sobre a comunidade homossexual no Twitter. “Se eu puder impedir o meu filho de ser gay, eu faço-o”, escreveu o norte-americano em 2010.

Face à polémica, Hart tomou a decisão de renunciar à apresentação dos Óscares por não querer ser “uma distração numa noite que deve ser comemorada por tantos artistas talentosos”. O comediante voltou ainda a pedir desculpa “à comunidade LGBT [Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais ou Transgéneros]” pelas palavras que proferiu. A Ellen DeGeneres — que há muito assumiu publicamente ser lésbica –, Kevin Hart confessou que este era um sonho antigo, mas que as manchetes da comunicação social começaram a desviar as atenções daquilo que era importante. “Começaram a dizer que ‘Kevin Hart rejeita pedir desculpa por tweets homofóbicos’ mas esqueceram-se de acrescentar o ‘de novo'” revelou. “Eu já avancei, sou um homem crescido”, referiu ainda.

Os meus filhos sabem quando o pai faz asneiras e estou à frente porque quero ser um exemplo para que eles saibam o que fazer. Neste caso, é difícil para mim porque foi um ataque. Isto não foi um acidente. Não foi uma coincidência que no dia a seguir a ter recebido o trabalho os tweets tenham surgido“, explicou Kevin Hart a Ellen DeGeneres.

“Isto não é novo. Eu já falei sobre isto, já pedi desculpa por isto”, disse ainda Hart, acrescentando que está zangado “porque todos estes oito anos estão a ser ignorados”. “Ninguém diz que isto foi há oito anos. Nenhuma manchete diz que há oito anos eu pedi desculpa”. “Tenho quase 40 anos. Se vocês não acreditam que as pessoas mudam, crescem e evoluem quando ficam mais velhas, não sei o que vos dizer”, disse na altura em que desistiu de apresentar a cerimónia, acrescentando que “o mundo está a ficar mais do que louco”. Kevin Hart afirmou ainda que não compreende porque é que, hoje em dia, as pessoas têm que “se justificar constantemente por coisas que fizeram no passado”.

No Twitter, Ellen DeGeneres revelou a entrevista e disse apoiar Kevin Hart e o seu regresso aos Óscares: “Eu acredito no perdão. Eu acredito em segundas oportunidade. Eu acredito em Kevin Hart”, lê-se na publicação, seguindo-se um tweet com a hashtag #OscarsNeedHart.

Kevin Hart disse a Ellen que, após a conversa com a apresentadora, estaria a reavaliar se vai ou não apresentar os Óscares. No entanto, segundo o The New York Times, numa entrevista ainda antes da passagem pelo talk show, o ator disse que não acreditava no seu regresso à cerimónia que se realiza no dia 25 de fevereiro.

O apoio de Ellen tem gerado alguma divisão. Enquanto parte dos seus seguidores concorda com a apresentadora, há quem considere que as piadas que Hart escreveu há oito anos têm de ter um castigo e não podem ser esquecidas. O apresentador da CNN, Don Lemon, referiu em direto que “pedir desculpa e avançar não torna o mundo melhor para as pessoas que são gays ou pessoas que são transgénero”, criticando ainda a entrevista com Ellen que “dá a entender que ele se tornou na vítima”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cinema

Consumismo cinematográfico

Ana Fernandes

Não estaremos a perder a magia do cinema? E o gosto pelos clássicos que notoriamente influenciaram os filmes que vemos hoje em dia? Estamos a consumir cinema como se de "fast food" se tratasse...

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)