Golpe de Estado

Militares tentam golpe de Estado no Gabão e acabam detidos

124

Militares do Gabão anunciaram que está em curso um golpe de Estado naquele país da África Ocidental. Moradores da capital dizem que tanques militares e veículos armados estão a patrulhar as ruas.

Grupo de militares leu um comunicado a partir da estação pública de televisão

Militares do Gabão anunciaram esta segunda-feira na televisão pública que está em curso um golpe de Estado naquele país da África Ocidental. Depois de os militares tomarem controlo sobre a estação pública, um soldado do Exército, ladeado por outros dois elementos armados, leu um comunicado a informar que os militares tomaram o controlo do Governo “para restaurar a democracia” no país. Mas, de acordo com fonte do Governo citada pela Radio France Internationale, os militares acabaram detidos.

Na declaração que leu em estúdio, o tenente Ondo Obiang Kelly, que se identificou como membro da Guarda Republicana do país e foi um dos protagonistas dos momentos tensos desta segunda-feira, disse que os militares estão insatisfeitos com as últimas declarações do Presidente do Gabão, a 31 de dezembro, a partir de Marrocos, onde se encontra há dois meses a recuperar de um enfarte.

Ao tentar dar rapidamente por concluído o debate acerca do seu estado de saúde”, o Presidente, Ali Bongo, “apenas reforçou as dúvidas sobre a sua capacidade para lidar com as difíceis responsabilidades que vêm com o cargo de Presidente da República”, disse o militar.

De olhos postos no comunicado que leu aos microfones da estação pública de rádio, Obiang Kelly explicou que essas dúvidas sobre o estado de saúde do Presidente do Gabão levaram o Movimento Patriótico das Forças Jovens de Segurança e Defesa a “assumir a sua responsabilidade para finalmente derrotar todas as manobras em marcha para confiscar o poder” no país. A passagem do comunicado está a ser interpretada como uma referência aos responsáveis do Gabão que gerem o país na longa ausência de Ali Bongo.

Enquanto os militares liam o comunicado oficial em direto na televisão, os moradores da capital, Libreville, davam conta da presença de tanques militares e de veículos armados em patrulha nas ruas. À porta da estação onde o comunicado foi lido, cerca de 300 pessoas juntaram-se numa manifestação de apoio aos militares mas acabaram por dispersar depois de as forças de segurança recorreram a gás lacrimogéneo. Dentro do estúdio de rádio, numa declaração que ficou gravado também em vídeo, os militares anunciaram a criação de um “Conselho Nacional de Restauração”.

O Presidente Ali Bongo — no poder desde 2009, depois de suceder ao próprio pai, que governou durante décadas o país — está fora do Gabão desde outubro, existindo relatos de que sofreu um acidente vascular cerebral (AVC). Bongo dirigiu-se recentemente ao país numa mensagem de Ano Novo, acamado, a partir de um hospital em Marrocos. A Bloomberg nota que, apesar de os cerca de dois milhões de habitantes do país viveram em situação de pobreza, a família Bongo tem lugar entre as mais ricas da África Central.

Golpe falhado, um militar em fuga

No comunicado, os militares insurgentes instigaram as Forças Armadas e depor armas e munições, a juntarem-se ao grupo e a “tomar o controlo das ruas” para “salvar o Gabão do caos”. Mas os membros do grupo acabariam por ser detidos, de acordo com o ministro da Comunicação, Guy-Bertrand Mapangou, citado pela Radio France Internationale.

A situação está “sob controlo”, disse mais tarde o ministro à BBC. Mapangou avançou a informação de que quatro militares tinham sido detidos e que um quarto elemento do grupo tinha conseguido escapar às autoridades.

“A situação está calma, os guardas que habitualmente estão destacados para a estação tomaram controlo de toda a zona à volta da rádio e da televisão, portanto, a normalidade está a regressar”, disse o ministro à estação britânica.

Guterres condena tentativa de golpe de Estado

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, condenou a tentativa de golpe de Estado por militares no Gabão, opondo-se a “mudanças no poder não constitucionais através da força”. O responsável da ONU criticou o golpe frustrado e apelou que “todos os envolvidos a sigam os meios constitucionais”, segundo o seu porta-voz, Stéphane Dujarric.

Dujarric acrescentou que o emissário da ONU para o Gabão, François Lounceny Fall, está a acompanhar a situação.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)