Guatemala

Tribunal da Guatemala autoriza entrada de investigador da ONU detido no aeroporto

O investigador anticorrupção da ONU, detido durante 25 horas no aeroporto, estará a averiguar eventuais irregularidades cometidas pelo Presidente Jimmy Morales na campanha eleitoral de 2015.

O colombiano Yilen Osorio, membro da Comissão Internacional contra a Impunidade na Guatemala, foi autorizado a entrar no país por decisão do Tribunal Constitucional, o mais alto órgão judicial do país

Esteban Biba/EPA

As autoridades da Guatemala autorizaram no domingo a entrada no país de um investigador anticorrupção da ONU, detido durante 25 horas no aeroporto, que estará a averiguar eventuais irregularidades cometidas pelo Presidente Jimmy Morales na campanha eleitoral de 2015.

O colombiano Yilen Osorio, membro da Comissão Internacional contra a Impunidade na Guatemala, foi autorizado a entrar no país por decisão do Tribunal Constitucional, o mais alto órgão judicial do país. As autoridades tinham proibido Osorio de entrar no país alegando “razões de segurança e ordem pública”.

Cinco juízes do Tribunal Constitucional, reunidos de emergência no domingo, permitiram no domingo a entrada do investigador. Em outubro, a Guatemala recusou vistos a outros 12 investigadores da ONU, tendo, em dezembro, retirado a imunidade e ordenado a expulsão de 11 funcionários da mesma comissão das Nações Unidas que investigava o Presidente Morales.

Os investigadores “deixaram de usufruir dos seus privilégios e imunidades”, informou então o Governo, afirmando que aquela entidade da ONU era uma “ameaça à paz” e tinha excedido as suas funções. Representantes do Instituto Guatemalteco de Migração foram à sede da comissão para informar os funcionários que eles tinham “72 horas para deixar o país”.

O Presidente iniciou hostilidades contra a comissão em 2017, depois de a agência da ONU e a procuradoria terem solicitado o levantamento dos privilégios presidenciais para investigar a corrupção no seio do Estado guatemalteco.

A comissão ganhou força em 2015 após revelar uma fraude aduaneira que levou à demissão do então Presidente Otto Pérez (2012-2015), que foi indicado como responsável pela fraude, além de apontar outros casos de corrupção.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)