Rádio Observador

Governo

MNE aconselha “prudência” a portugueses que viajem para a região do Ceará

O Ministério dos Negócios Estrangeiros aconselhou a "máxima prudência" aos cidadãos nacionais que se desloquem ao estado brasileiro do Ceará, devido à onda de violência dos últimos dias.

As autoridades investigam se os ataques são uma represália das organizações criminosas contra medidas anunciadas pelo governador do Ceará para reformar a administração das prisões estaduais

Getty Images

O Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) português aconselhou esta terça-feira a “máxima prudência” aos cidadãos nacionais que se desloquem ao Estado brasileiro do Ceará, devido à insegurança que assola esta região.

Tendo em conta a situação de insegurança que se verifica desde a madrugada do dia 2 de janeiro no Estado do Ceará, em especial na Região Metropolitana de Fortaleza, aconselha-se a máxima prudência em eventuais deslocações ao Ceará”, informa o MNE, no portal das comunidades.

Também foram dados conselhos de saúde, nomeadamente de vacinação para a febre amarela e dengue, para quem visite o Brasil nos próximos meses.

“Devido ao elevado número de casos de febre amarela recentemente registados em alguns estados do Brasil sobretudo Minas Gerais, São Paulo , Espírito Santo, Rio de Janeiro e Baía, recomenda-se aos viajantes que se desloquem a este país, antes de embarcar, que se assegurem que estão devidamente vacinados contra a febre amarela”, informa o ministério tutelado por Augusto Santos Silva.

A propósito da dengue, o MNE esclarece que foi publicado “no passado mês de março o Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti — LIRAa”, que traça o diagnóstico da doença em mais de 1.800 municípios brasileiros.

“O LIRAa utiliza um índice com três níveis (Risco, Alerta, Satisfatório) que leva em consideração a percentagem de casas visitadas que tinham larvas do mosquito Aedes aegypti”, finaliza o ministério acerca do vírus dengue.

O Estado do Ceará tem sido palco de vários ataques que já levaram ao envio de vários reforços policiais para a região.

Os ataques começaram a ser registadas na noite de quarta-feira em todos os municípios que fazem parte da região metropolitana da capital estadual, Fortaleza, e visam principalmente autocarros, prédios públicos e bancos.

As autoridades investigam se os ataques são uma represália das organizações criminosas contra medidas anunciadas pelo governador do Ceará, Camilo Santana, para reformar a administração das prisões estaduais.

O Ceará foi o terceiro estado brasileiro que registou mais mortes violentas em 2017, com uma taxa de 59,1 mortes por cada 100 mil habitantes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)