Nicolás Maduro

Venezuela. Maduro promete resposta proporcional a quem não reconhecer novo mandato

283

Nicolás Maduro advertiu segunda-feira que o seu Governo responderá de forma proporcional e oportuna aos países e instituições que não reconheçam o novo mandato, que terá início a 10 de janeiro.

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro falava aos jornalistas no palácio presidencial de Miraflores, em Caracas

Cristian Hernandez/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, advertiu segunda-feira que o seu Governo responderá de forma proporcional e oportuna aos países e instituições que não reconheçam o novo mandato que terá início a 10 de janeiro. “Àqueles que não reconhecerem a legitimidade das instituições venezuelanas daremos uma resposta proporcional e oportuna. Atuaremos com muita firmeza porque a Venezuela respeita-se, seja a quem for no mundo”, disse.

Nicolás Maduro falava aos jornalistas no palácio presidencial de Miraflores, em Caracas, tendo, no entanto, vincado que conta com o apoio da maioria dos Governos do mundo. “Daremos uma resposta firme, clara, oportuna e imediata pela afronta que qualquer Governo ou qualquer instância internacional intente contra o nosso país. A Venezuela tem quem a defenda”, frisou.

A advertência do Presidente Nicolás Maduro tem lugar depois de vários países do continente americano terem anunciado que não reconhecerão o novo mandado (2019-2025) que terá início a 10 de janeiro.

Maduro vai prestar juramento para um novo mandado presidencial perante o Supremo Tribunal de Justiça, ao invés da Assembleia Nacional (parlamento), já que não reconhece legitimidade a este órgão que acusa de estar a afrontar sentenças daquele tribunal.

Segundo o Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela, Maduro foi reeleito para um novo mandato presidencial nas eleições antecipadas de 20 de maio de 2018, com 6.248.864 votos (67,84%). Um dia depois das eleições, a oposição venezuelana questionou os resultados, alegando irregularidades e o não respeito pelos tratados de direitos humanos ou pela Constituição da Venezuela.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)