Rádio Observador

França

Encontrados destroços de avião de caça francês desaparecido dos radares quando sobrevoava área montanhosa

376

Já foram encontrados os destroços do avião caça francê desaparecido dos radares esta quarta-feira. As pelos dois tripulantes que seguiam na aeronave continuam.

Mirage 2000D é um avião de caça francês

SEBASTIEN BOZON/AFP/Getty Images

Foram encontrados os destroços do avião de caça Mirage 2000D, desaparecido esta quarta-feira, depois de descolar de Nancy-Ochey (Meurthe-et-Moselle), no nordeste de França. O avião deixou de ser detetado pelos radares quando sobrevoava a área montanhosa entre Doubs e Jura, próximo da fronteira com a Suíça, avançou a agência AFP. Os tripulantes ainda não foram encontrados.

Esperamos encontrá-los com vida. Neste momento, estão dados como desaparecidos”, declarou o porta-voz da Força Aérea francesa, o coronel Cyrille Duvivier, numa conferência de imprensa em Paris.

Os dois membros da tripulação — piloto e navegador — não deram qualquer sinal de vida desde o desaparecimento do aparelho que tinha descolado da base aérea de Nancy-Ochey, no leste de França, e efetuava um voo de treino a baixa altitude.

“Não tivemos qualquer contacto de qualquer tipo”, qualquer sinal de ejeção, sublinhou o coronel Duvivier, explicando que não foi acionado qualquer dos mecanismos colocados no assento ejetável e que se destacam automaticamente aquando da ejeção ou que os pilotos acionam ao chegar ao solo para serem localizados.

Os destroços do avião foram localizados na zona da aldeia de Mignovillard, em torno da qual as buscas se centraram, indicou uma fonte próxima das equipas de socorro.

Segundo o diário L’Est Républicain, um paraquedas e um mapa estão entre o material encontrado no cimo da aldeia, localizada a 1.050 metros de altitude.

Encontrámos tecido que parece ser de um paraquedas, mas é demasiado cedo para dizer se se trata de um paraquedas da tripulação ou do aparelho”, observou o coronel Duvivier.

Um forte dispositivo de busca — incluindo aviões caças que se encontravam na zona e helicópteros — foi mobilizado para tentar localizar o aparelho desaparecido dos radares ao fim da manhã.

“A dificuldade é encontrar o ponto de impacto (…) A área de destroços pode ser imensa”, indicou o coronel Duvivier, recordando o precedente de março de 2011, o último acidente mortal sofrido pela Força Aérea francesa, em que o piloto e o navegador de um Mirage 2000 da base de Luxeuil-les-Bains (Haute-Saône) morreram quando o aparelho se despenhou no departamento da Creuse.

“A zona de dispersão era muito, muito vasta, e estas operações são longas”, sublinhou o oficial.

Além dos paraquedas dos pilotos, o Mirage 2000D está equipado com um paraquedas de travagem na aterragem que se encontra na cauda do aparelho.

Os radares perderam o avião pouco depois das 11 horas (hora local) e cerca de 45 minutos depois foi acionado um plano de resgate pelo município de Doubs. As “gendarmeries” (equivalente à GNR portuguesa) de Doubs e Jura estão neste momento no terreno, informou a Gendarmerie de Jura no Facebook. As buscas na região poderão ser dificultadas pela presença de neve e falta de visibilidade.

Região montanhosa onde o caça Mirage 2000D saiu dos radares (a vermelho) — Google Maps

A bordo seguiam dois militares que ainda não tentaram pedir ajuda nem foram encontrados, refere a France 3. Os bancos dos dois ocupantes eram ejetáveis, mas não há confirmação de que esta função tenha sido acionada.

O Mirage 2000D estaria a fazer um voo de treino e, como tal, não estaria equipado com armamento.

Atualizado às 21h15 horas

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)