O novo concurso de reabilitação do antigo Liceu Camões, em Lisboa, “está pronto a arrancar”, segundo o Ministério da Educação, que avançou à Lusa que o Governo pretende investir mais de 15 milhões de euros naquela escola centenária.

A nova portaria de extensão de encargos, no valor de 15,2 milhões de euros (sem IVA), já está assinada pelos ministérios da Educação e das Finanças, pelo que o novo concurso está pronto a arrancar”, revelou à Lusa o gabinete de imprensa do Ministério da Educação (ME).

A notícia surge na véspera de uma anunciada marcha lenta entre a escola e a Assembleia da República (AR) organizada pelos alunos, que pretendem alertar para a falta de condições do edifício e exigir obras.

O ME sublinha que “o novo concurso é, assim, lançado o mais diligentemente possível, cumprindo o Governo o compromisso assumido de que esta seria uma intervenção de inquestionável importância”.

Esta não é a primeira tentativa de realizar obras na atual Escola Secundária Camões, já que em meados do ano passado foi lançado um concurso público internacional que não teve concorrentes.

O concurso internacional para as obras de requalificação do edifício centenário, na praça José Fontana, envolvia um investimento de 12,46 milhões de euros, mais do que o inicialmente previsto, segundo o Ministério da Educação.

Agora, o Governo volta a aumentar a verba para as obras de requalificação: 15,2 milhões (sem IVA).

Em fevereiro de 2018, os alunos do Liceu Camões concentraram-se em frente à escola para exigir uma resposta da tutela às más condições do edifício, lembrando que estão desde 2011 à espera das obras em diversos espaços, entre eles o ginásio, as oficinas de artes e alguns laboratórios de Biologia.

O Liceu Camões é uma das escolas mais antigas da capital e chegou a ser transformado em hospital para acolher os doentes com a “gripe espanhola”, em 1918.