Propinas

Universidades e politécnicos beneficiam em mais de 330 milhões com propinas

Responsáveis avisam que o OE terá de cobrir verbas, que são quase 24% das receitas do superior. Com corte de 20% a avançar já este ano, o impacto será de 65 milhões por ano nas contas públicas.

A contribuição dos alunos para as receitas das universidades e dos politécnicos públicos tem vindo a crescer nos últimos dez anos

PAULO NOVAIS/LUSA

As propinas renderam às universidades e aos politécnicos públicos 330,1 milhões de euros em 2017, sendo que a contribuição dos alunos para as receitas destas instituições tem vindo a crescer nos últimos dez anos. Face à hipótese de eliminar as propinas no ensino superior, que está agora em cima da mesa e é apoiada tanto pelo ministro do Ensino Superior como pelo Presidente da República, o Estado terá uma meta exigente para alcançar, segundo avança o Diário de Notícias, na edição desta quarta-feira.

Entre 2008 e 2017, as receitas anuais com as propinas cresceram quase 72 milhões de euros, de acordo com dados do relatório Estado da Educação 2017, divulgado em dezembro. No orçamento do ensino superior público, o valor correspondeu a um aumento de dez pontos percentuais, passando de 13,7% para 23,7%.

Neste sentido, o impacto previsto nas contas públicas será na ordem das centenas de milhões de euros anuais, se se puser efetivamente fim às propinas. Já a decisão recentemente anunciada de baixar a propina máxima em 20%, a partir do ano letivo 2019-2020, terá um impacto previsto de cerca de 65 milhões por ano nas contas públicas.

Os responsáveis pelas instituições de ensino superior alertam para o facto de o Orçamento do Estado ter de cobrir as futuras despesas, que representam quase 24% das receitas do setor. A seu ver, a sustentabilidade e o funcionamento das instituições estão a ser postos em causa com a medida, além de que a margem para recorrer a fundos comunitários que subsidiem o sistema pode reduzir.

Questionado sobre se é ou não favorável à proposta de se caminhar para o fim das propinas no ensino superior,  o Presidente da República afirmou concordar “totalmente” com a ideia e que esse seria “um passo muito importante no domínio do financiamento do ensino superior”.

Porque isso significa o dar um passo para terminar o que é um drama, que é o número elevadíssimo de alunos que terminam o ensino secundário e não têm dinheiro para o ensino superior, porque as famílias não têm condições, portanto, têm de trabalhar, não podem permitir-se aceder ao ensino superior”, justificou Marcelo Rebelo de Sousa

Portugal tem a sexta propina mais elevada entre os países da União Europeia que a cobram, contando-se também entre aqueles em que menos estudantes se apoiam em bolsas ou outros incentivos. Este, segundo o Presidente da República, é um quadro “muito negativo em termos do futuro do país” e coloca Portugal numa “posição muito má em termos internacionais”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

O fim das propinas foi “fake news”

Margarida Mano
664

O ministro que em janeiro diz que não vale a pena reduzir as propinas é o ministro que propõe em novembro essa mesma medida e a vê aprovada, em dezembro, no Orçamento do Estado de 2019.

Propinas

Altamente populista /premium

Alexandre Homem Cristo
418

Depois de lançar o debate sobre o fim das propinas, o ministro diz agora que a medida seria altamente populista. Este episódio poderia dar anedota, mas é antes um retrato do desgoverno nacional.

Ensino Superior

As propinas: uma história muito mal contada

Jose Bento da Silva
352

A questão não são as propinas. Isso é de fácil resolução. O desafio é: qual o modelo de gestão que queremos para as nossas universidades? O modelo atual não passa de um circo pago pelos contribuintes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)