Propinas

Universidades e politécnicos beneficiam em mais de 330 milhões com propinas

Responsáveis avisam que o OE terá de cobrir verbas, que são quase 24% das receitas do superior. Com corte de 20% a avançar já este ano, o impacto será de 65 milhões por ano nas contas públicas.

A contribuição dos alunos para as receitas das universidades e dos politécnicos públicos tem vindo a crescer nos últimos dez anos

PAULO NOVAIS/LUSA

As propinas renderam às universidades e aos politécnicos públicos 330,1 milhões de euros em 2017, sendo que a contribuição dos alunos para as receitas destas instituições tem vindo a crescer nos últimos dez anos. Face à hipótese de eliminar as propinas no ensino superior, que está agora em cima da mesa e é apoiada tanto pelo ministro do Ensino Superior como pelo Presidente da República, o Estado terá uma meta exigente para alcançar, segundo avança o Diário de Notícias, na edição desta quarta-feira.

Entre 2008 e 2017, as receitas anuais com as propinas cresceram quase 72 milhões de euros, de acordo com dados do relatório Estado da Educação 2017, divulgado em dezembro. No orçamento do ensino superior público, o valor correspondeu a um aumento de dez pontos percentuais, passando de 13,7% para 23,7%.

Neste sentido, o impacto previsto nas contas públicas será na ordem das centenas de milhões de euros anuais, se se puser efetivamente fim às propinas. Já a decisão recentemente anunciada de baixar a propina máxima em 20%, a partir do ano letivo 2019-2020, terá um impacto previsto de cerca de 65 milhões por ano nas contas públicas.

Os responsáveis pelas instituições de ensino superior alertam para o facto de o Orçamento do Estado ter de cobrir as futuras despesas, que representam quase 24% das receitas do setor. A seu ver, a sustentabilidade e o funcionamento das instituições estão a ser postos em causa com a medida, além de que a margem para recorrer a fundos comunitários que subsidiem o sistema pode reduzir.

Questionado sobre se é ou não favorável à proposta de se caminhar para o fim das propinas no ensino superior,  o Presidente da República afirmou concordar “totalmente” com a ideia e que esse seria “um passo muito importante no domínio do financiamento do ensino superior”.

Porque isso significa o dar um passo para terminar o que é um drama, que é o número elevadíssimo de alunos que terminam o ensino secundário e não têm dinheiro para o ensino superior, porque as famílias não têm condições, portanto, têm de trabalhar, não podem permitir-se aceder ao ensino superior”, justificou Marcelo Rebelo de Sousa

Portugal tem a sexta propina mais elevada entre os países da União Europeia que a cobram, contando-se também entre aqueles em que menos estudantes se apoiam em bolsas ou outros incentivos. Este, segundo o Presidente da República, é um quadro “muito negativo em termos do futuro do país” e coloca Portugal numa “posição muito má em termos internacionais”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

Propinas: para que te quero? /premium

Manuel Villaverde Cabral

Segundo a OCDE um licenciado ganha, em média, 69% acima de um diplomado do ensino secundário e fica menos tempo desempregado. Será justo que os impostos de pobres e ricos paguem o custo das propinas?

Ensino Superior

Das propinas e da ausência delas

João Pires da Cruz
177

Faz todo o sentido acabar com as propinas e acabar com a situação em que a educação superior é educação para os filhos dos ricos. Que são dois problemas de gestão e, como tal, possíveis de resolver. 

Ensino Superior

A fraude da eliminação das propinas

André Azevedo Alves
893

Aos 18 anos os jovens poderiam votar, mas estariam ao mesmo tempo sujeitos à frequência compulsiva de um “ciclo geral universitário” para receberem a adequada doutrinação socialista.

Propinas

Os ricos que paguem a crise

José Manuel Silva
356

Se as famílias com filhos no ensino superior estatal deixassem de pagar propinas seriam todos os contribuintes que as passariam a pagar, incluindo os que pagam propinas no ensino superior privado.

IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)