Hotelaria

Vila Galé estuda concurso para hotel no CCB e mantém ‘olho’ no Quartel da Graça

O administrador da Vila Galé confirmou que o grupo está a estudar um concurso para o hotel do CCB e que vai analisar o Quartel da Graça, salvaguardando que o interesse depende de vários fatores.

O hotel e o espaço comercial do projeto original do CCB, em Lisboa, vão custar entre 60 e 70 milhões de euros, afirmou o presidente da Fundação

LUSA/LUSA

O administrador da Vila Galé, Gonçalo Rebelo de Almeida, disse esta quarta-feira que o grupo vai analisar o concurso para o hotel do CCB, cuja a eventual manifestação de interesses deverá ser feita em fevereiro, e para o Quartel da Graça.

“Vamos olhar para o concurso do CCB [Centro Cultural de Belém]. Vamos estudar, mas também vamos analisar o Quartel da Graça [em Lisboa]”, disse o administrador num encontro com jornalistas, em Paço de Arcos, apesar de admitir que falar nestes projetos “ainda é prematuro”, pois o seu interesse depende de vários fatores.

Segundo Gonçalo Rebelo de Almeida, estes fatores são essencialmente três. “O investimento [no CCB] é considerável e o valor mínimo de renda a pagar muito elevado, um terço do projeto é para a área de escritórios e serviços, o que também nos obriga a ir em parceria, e o terceiro fator que vai pesar é o ‘timing’ em que se vai processar”, explicou.

E o administrador exemplificou: “E se for na mesma altura o Quartel da Graça e o CCB? Seria um ou outro”, afirmou, reconhecendo que o segundo, um projeto no âmbito do Programa Revive, seria prioritário.

A 28 de novembro, o presidente da Fundação Centro Cultural de Belém (FCCB), Elísio Summavielle, disse que o hotel e o espaço comercial do projeto original do CCB, em Lisboa, vão custar entre 60 e 70 milhões de euros, e o promotor irá pagar, no mínimo, uma ‘renda’ anual de 900 mil euros.

Na altura, o responsável adiantou que seria lançado um procedimento público internacional para “subcessão do direito de superfície dos terrenos” onde serão construídos os módulos 4 e 5 do projeto, correspondente ao hotel e ao espaço comercial.

Os terrenos em causa pertencem ao Estado e foram cedidos à FCCB, que, por sua vez, vai ‘alugá-los’ por um período de 50 anos.

O hotel, que será de quatro estrelas ou superior, e uma galeria comercial, com construção adiada desde há 25 anos, são da autoria dos arquitetos Vittorio Gregotti e Manuel Salgado (atual vereador do Urbanismo em Lisboa) e foram desenhados em 1989.

Desde o final de novembro que os interessados podem apresentar as propostas no concurso internacional.

Elísio Summavielle avançou ainda ter conhecimento de interessados “quer nacionais, quer internacionais”, e disse que, desde que assumiu a presidência e revelou ser seu desejo terminar o projeto inicial do CCB durante o seu mandato, foi questionado por várias vezes sobre quando abriria o concurso.

“[Trata-se] de um contributo muito importante nesta altura da vida da Fundação. Tudo o que venha a mais é ganho e 900 mil euros/ano é um valor mínimo. É a partir desse valor que começamos a falar com os concorrentes, a fasquia ira subir certamente”, explicou o responsável aos jornalistas.

Durante o período inicial, e segundo consta do caderno de encargos da obra, o promotor, ou promotores, vão pagar “uma renda de 300 mil euros”, valor esse que aumentará para um mínimo de 900 mil euros ano “a partir do momento da exploração plena”.

Para Elísio Summavielle, a “Cidade Aberta” será “uma pequena cidade que terá plena sustentabilidade sem que isso obrigue a onerar mais os contribuintes”, reconhecendo que tal facto já aconteceu no passado o que “trouxe bastantes dissabores”.

Apesar de considerar que a obra estará concluída dentro de três anos e meio, o presidente da FCCB alertou para a eventualidade de aparecerem constrangimentos que possam decorrer durante a obra, nomeadamente aquando da construção do parqueamento subterrâneo.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)