Hotelaria

Vila Galé estuda concurso para hotel no CCB e mantém ‘olho’ no Quartel da Graça

O administrador da Vila Galé confirmou que o grupo está a estudar um concurso para o hotel do CCB e que vai analisar o Quartel da Graça, salvaguardando que o interesse depende de vários fatores.

O hotel e o espaço comercial do projeto original do CCB, em Lisboa, vão custar entre 60 e 70 milhões de euros, afirmou o presidente da Fundação

LUSA/LUSA

O administrador da Vila Galé, Gonçalo Rebelo de Almeida, disse esta quarta-feira que o grupo vai analisar o concurso para o hotel do CCB, cuja a eventual manifestação de interesses deverá ser feita em fevereiro, e para o Quartel da Graça.

“Vamos olhar para o concurso do CCB [Centro Cultural de Belém]. Vamos estudar, mas também vamos analisar o Quartel da Graça [em Lisboa]”, disse o administrador num encontro com jornalistas, em Paço de Arcos, apesar de admitir que falar nestes projetos “ainda é prematuro”, pois o seu interesse depende de vários fatores.

Segundo Gonçalo Rebelo de Almeida, estes fatores são essencialmente três. “O investimento [no CCB] é considerável e o valor mínimo de renda a pagar muito elevado, um terço do projeto é para a área de escritórios e serviços, o que também nos obriga a ir em parceria, e o terceiro fator que vai pesar é o ‘timing’ em que se vai processar”, explicou.

E o administrador exemplificou: “E se for na mesma altura o Quartel da Graça e o CCB? Seria um ou outro”, afirmou, reconhecendo que o segundo, um projeto no âmbito do Programa Revive, seria prioritário.

A 28 de novembro, o presidente da Fundação Centro Cultural de Belém (FCCB), Elísio Summavielle, disse que o hotel e o espaço comercial do projeto original do CCB, em Lisboa, vão custar entre 60 e 70 milhões de euros, e o promotor irá pagar, no mínimo, uma ‘renda’ anual de 900 mil euros.

Na altura, o responsável adiantou que seria lançado um procedimento público internacional para “subcessão do direito de superfície dos terrenos” onde serão construídos os módulos 4 e 5 do projeto, correspondente ao hotel e ao espaço comercial.

Os terrenos em causa pertencem ao Estado e foram cedidos à FCCB, que, por sua vez, vai ‘alugá-los’ por um período de 50 anos.

O hotel, que será de quatro estrelas ou superior, e uma galeria comercial, com construção adiada desde há 25 anos, são da autoria dos arquitetos Vittorio Gregotti e Manuel Salgado (atual vereador do Urbanismo em Lisboa) e foram desenhados em 1989.

Desde o final de novembro que os interessados podem apresentar as propostas no concurso internacional.

Elísio Summavielle avançou ainda ter conhecimento de interessados “quer nacionais, quer internacionais”, e disse que, desde que assumiu a presidência e revelou ser seu desejo terminar o projeto inicial do CCB durante o seu mandato, foi questionado por várias vezes sobre quando abriria o concurso.

“[Trata-se] de um contributo muito importante nesta altura da vida da Fundação. Tudo o que venha a mais é ganho e 900 mil euros/ano é um valor mínimo. É a partir desse valor que começamos a falar com os concorrentes, a fasquia ira subir certamente”, explicou o responsável aos jornalistas.

Durante o período inicial, e segundo consta do caderno de encargos da obra, o promotor, ou promotores, vão pagar “uma renda de 300 mil euros”, valor esse que aumentará para um mínimo de 900 mil euros ano “a partir do momento da exploração plena”.

Para Elísio Summavielle, a “Cidade Aberta” será “uma pequena cidade que terá plena sustentabilidade sem que isso obrigue a onerar mais os contribuintes”, reconhecendo que tal facto já aconteceu no passado o que “trouxe bastantes dissabores”.

Apesar de considerar que a obra estará concluída dentro de três anos e meio, o presidente da FCCB alertou para a eventualidade de aparecerem constrangimentos que possam decorrer durante a obra, nomeadamente aquando da construção do parqueamento subterrâneo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)