PSD

Adão Silva: PSD defende melhores salários no SNS

Ex-secretário de Estado da Saúde do PSD defende melhores salários no SNS e que cabe ao Governo decidir entre o bloco da esquerda e o da direita no momento da aprovação da nova lei de bases da Saúde.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Mais financiamento para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e melhores condições e salários para os profissionais de saúde. Foi o que defendeu o vice-presidente da bancada do PSD e ex-secretário de Estado da Saúde, Adão Silva, em entrevista ao jornal Público e Rádio Renascença publicada esta quinta-feira.

Questionado sobre quais as propostas concretas do PSD para fazer regressar médicos e enfermeiros e fixá-los no SNS, Adão Silva, que esta semana deu a cara pelo projeto de lei do PSD da revisão da lei de bases da Saúde, apontou logo o dedo aos salários.

A primeira questão é obviamente pagar melhor aos profissionais. Ninguém consegue ter profissionais motivados e atraídos para o SNS se não se pagar melhor”, disse, recusando contudo que estivesse a fazer uma promessa eleitoral de que, se o PSD fosse governo, aumentaria os salários no setor.

“O que tem de haver é uma situação de melhor racionalidade”, limitou-se a dizer. Até porque, insistiu, “não estou habilitado para fazer promessas eleitorais e acho que não é tempo de as fazer”. “O que estou a dizer é muito simples, a base do SNS são os profissionais e profissionais pouco motivados, com salários e carreiras paradas, não são obviamente profissionais que respondam bem”, acrescentou, recusando-se a dizer se o PSD equipararia os salários no público aos salários no setor privado.

Assumindo que o PSD “reafirma” que a melhor gestão do SNS pode passar por mais parcerias público-privadas, Adão Silva defendeu o fim da “guerra inútil de público contra privado” e sublinhou a necessidade de “cooperação” porque, “no fim do dia, o que o cidadão quer é ter acesso a cuidados de saúde de qualidade.

Questionado sobre se espera consenso com o Governo nesta matéria, o deputado social-democrata pôs o ónus no Governo: é o Governo que tem de “decidir” para que lado vai, se para a esquerda, se para a direita, porque as duas visões são diametralmente opostas. “Existem aqui dois blocos profundamente diferentes, o do PCP e do BE, e depois diria PSD e CDS. Esperamos que o Governo se decida como quer fazer”, disse.

Sobre o clima de contestação interna que se vive no seio do PSD, Adão Silva, que é próximo de Rui Rio, desafiou os críticos do líder a darem a cara. Caso contrário, “do ponto de vista democrático”, estão a praticar apenas um “tipo de jogo intolerável”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida
267

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Catarina Martins

O Bloco é de extrema-esquerda? /premium

Luís Rosa
168

O BE quer destruir o capitalismo, vê o mercado como nocivo para as relações humanas, o Estado como o único proprietário e a intolerância política como arma. Puro extremismo vestido de vermelho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)