Rádio Observador

Literatura Infantil

Ah, isso é como ler a Triciclo, não se esquece

255

Ainda não tiraram as rodinhas mas já lançaram cinco revistas infantis, jogos em madeira e livros de artista. A Triciclo é uma pequena editora independente que vive (em part-time) da ilustração.

O logótipo que hoje aparece em livros e revistas foi desenhado na toalha de papel da Nova Pombalina. O snack-bar da Baixa lisboeta é uma espécie de quartel-general da Triciclo, uma micro-editora independente lançada em fevereiro de 2017 — tão micro que não tem escritório, embora isso não seja um problema.

As três rodas são Ana Braga, Inês Machado e Tiago Guerreiro. Conheceram-se na escola de artes e comunicação visual Ar.Co e apesar da diferença de idades (34, 25 e 35, respetivamente), perceberam que tinham um interesse comum pela ilustração infantil e que queriam editar coisas na área.

Com outra toalha pelo meio, deste vez “do chinês clandestino do Martim Moniz”, decidiram a data de lançamento. A 4 de fevereiro apresentaram-se ao mundo e lançaram uma revista de passatempos. Tinham impresso 80 cópias em risografia na Stolen Prints, as 80 esgotaram. Fizeram mais 250 exemplares e também não ficou nenhum para amostra.

A capa e a contracapa da primeira revista, com uma ilustração de Tiago Guerreiro. © Divulgação

“Não imaginávamos que ia haver tanta gente interessada”, começa por dizer Tiago Guerreiro. “Parece que a revista infantil era um produto que as pessoas achavam que não existia”, completa Ana Braga. De facto, como a deles não havia nada: com ilustração em todas as páginas, um guião a unir cada passatempo, papel grosso e encadernação à mão. “Mesmo sendo auto-edição, quisemos fazer algo com qualidade”, diz Tiago. “Estamos na fronteira entre a editora independente e as editoras de álbuns infantis ilustrados, e penso que é precisamente isso que nos distingue. Em termos editoriais estamos próximos de uma Planeta Tangerina ou de uma Pato Lógico mas gostamos de pensar um pouco fora da caixa.”

As revistas saem semestralmente, com outro lançamento pelo meio, a cada três meses. Para além dos passatempos, a Triciclo já editou três livros (Uma Nova História da Arte, um ABC do Cinema e um livro de artista sobre 12 Soldados) e lançou dois jogos de tabuleiro em madeira: o de verão era passado na Praia das Maças, o mais recente viaja até à Serra da Estrela, sempre com dados.

Este inverno, a Triciclo propõe uma viagem à Serra da Estrela num jogo de tabuleiro em madeira. © Divulgação

Apesar do sucesso inesperado da primeira revista, as tiragens são sempre pequenas, impressas em risografia ou serigrafia e com a editora a fugir do offset, uma das técnicas de impressão mais utilizadas. “Gostamos desta textura. O digital não tem isto”, atira Inês, referindo-se tanto às publicações como aos prints que vão disponibilizando na loja online regularmente. Com formação em pintura, a mais nova do grupo é assistente de exposição e educadora no serviço educativo do Museu Coleção Berardo. A Triciclo é um extra que tem de conciliar com o restante trabalho, tal como Ana, designer gráfica, e Tiago, da área da comunicação. Todos participam em tudo, das publicações às feiras, workshops e oficinas. Ainda agora, os três estiveram a ensinar crianças entre os seis e os 10 anos a fazer heróis e vilões articulados no Doclisboa.

E se as revistas são pensadas para um público infantil, o mais provável é serem compradas por adultos amantes da ilustração, com filhos ou sem filhos (sendo que, se tiverem filhos, pode acontecer que só os deixem aproximar um lápis das páginas quando já tiverem 18 anos). “Muita gente já me disse que não consegue riscar as revistas”, diz Tiago. “Mas eu gosto de ver os rabiscos.”

No livro “A Nova História da Arte da Triciclo, os ilustradores fizeram novas versões de clássicos da pintura, incluindo dos frescos italianos. © Ana Braga/Triciclo

Para provar que com um triciclo se vai longe, em março a micro-editora esteve na macro-feira de literatura infantil de Bolonha para participar numa conversa sobre revistas infantis, juntamente com a espanhola La Leche. Pouco depois foi a vez de montar uma banca na ELCAF (East London Comics & Arts Festival), em Londres, e daí vieram convites para outras feiras no estrangeiro (Bélgica e Antuérpia). De volta à Ar.Co, Tiago, Ana e Inês foram convidados para dar aulas e estão a orientar o curso de ilustração infantil em parceria com Catarina Sobral e ainda a preparar um seminário. Desde novembro têm algumas serigrafias originais expostas na Ó Galeria de Lisboa e este ano vão regressar à Fabrica Features para uma exposição em torno do brinquedo.

No meio disto tudo, os fundadores da Triciclo gostavam de arranjar um rés do chão em Lisboa para ter um atelier com loja e espaço para workshops. A Nova Pombalina continuará a valer a pena, nem que seja pelas sandes e pelas toalhas amigas de quem gosta tanto de fazer ilustração em papel.

As revistas

Até agora a editora já lançou quatro revistas de passatempos e um Especial de Verão mais pequeno, para levar na mala. Com uma tiragem de 250 exemplares e um preço que tem variado entre os 11 e os 14 euros, cada revista é impressa em duas cores, do verde e roxo ao amarelo e azul. A primeira acompanha um dia na vida de um menino chamado André (com direito a navegar numa sopa de letras durante a hora do banho), a mais recente, lançada em Outubro, é sobre castigos e travessuras. Ao segundo número, feito a partir da ideia de que os círculos desapareceram do mundo, tornou-se evidente que, apesar do estilo de cada ilustrador ser bastante diferente, todos têm em comum o uso das formas geométricas.

A revista número 4 foi lançada em outubro e é sobre castigos e travessuras. © Divulgação

Os livros

A publicação com mais cores apareceu para apresentar A Nova História da Arte da Triciclo (vol. 1), com clássicos como “O Grito” de Munch ou os banhistas de Georges Seurat a serem redesenhados pelos ilustradores. Seguiu-se 12 Soldados, o livro mais pequeno mas aquele que a editora chama carinhosamente de “obra-prima”. Impresso em serigrafia, conta com ilustrações de Inês Machado — a partir de uma coleção de cartões com fotografias de soldados, usados em maços de tabaco cubanos –, e com textos de Tiago Guerreiro, que inventou uma história para cada militar representado.  Finalmente, no Dia da Criança deste ano foi a vez do lançamento de ABC do Cinema, uma compilação dos principais realizadores organizada alfabeticamente, com direito a curiosidades sobre cada génio ilustrado. Dois exemplos? O sonho de Robert Bresson era ser pintor e Manoel de Oliveira foi campeão de salto à vara três vezes.

Impresso em serigrafia, “12 Soldados” conta com ilustrações de Inês Machado, a partir de uma coleção de cartões com fotografias de soldados, usados em maços de tabaco cubanos. © Divulgação

Artigo publicado originalmente na revista Observador Lifestyle nº 2 (novembro de 2018).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: adferreira@observador.pt
Pais e Filhos

Um pai do século XXI

David Gaivoto
106

Ao longo da minha experiência enquanto pai tenho também aprendido que por vezes são eles que nos educam, por vezes são eles que nos apelam à nossa consciência com a sua gigante e preciosa inocência

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)