Eleições Europeias

Francisco Assis afasta em absoluto confronto com Costa por causa da lista do PS às Europeias

111

O eurodeputado Francisco Assis desdramatizou a hipótese de de não continuar no Parlamento Europeu por mais 5 anos. Disse que caso não seja candidato pelo partido, isso não afetará a relação com Costa.

O eurodeputado Francisco Assis foi cabeça de lista socialista nas europeias de 2014

Joédson Alves/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O eurodeputado socialista Francisco Assis afirmou esta quinta-feira que em caso algum entrará em confronto com António Costa por causa da lista europeia do PS, salientando mesmo que essa questão não lhe tira um minuto de sono.

Em declarações à agência Lusa, Francisco Assis, que foi cabeça de lista do PS nas eleições europeias de 2014, então sob a liderança partidária de António José Seguro, procurou desdramatizar a possibilidade de não continuar no Parlamento Europeu por mais cinco anos.

Perante as questões formuladas pela agência Lusa, Francisco Assis tentou antes frisar que, independentemente de qualquer cenário em termos de lista europeia do PS, estará empenhado na próxima campanha eleitoral em defesa do projeto europeu preconizado pelo atual secretário-geral socialista, António Costa.

Desiludam-se os que julgam que vai haver confronto entre mim e o secretário-geral do PS, ou entre mim e o partido, porque isso, em absoluto, não vai acontecer, já que, no essencial, estamos de acordo. Eu ir ou não na lista não me tira um minuto de sono”, afirmou o eurodeputado socialista.

Interrogado se já foi contacto pela direção do PS no sentido de apurar a sua disponibilidade ou não para continuar no Parlamento Europeu, Francisco Assis respondeu: “Não tive qualquer contacto, nem tinha de ter, porque as listas não foram propostas”.

Eu sempre soube distinguir os planos. Tenho um bom relacionamento pessoal e político com o secretário-geral do PS, coincido com ele, em absoluto, nas questões de política europeia. Julgo que o PS vai ter um bom resultado e estou disponível, indo ou não nas listas, para participar ativamente no processo eleitoral”, disse.

O cabeça de lista socialista nas europeias de 2014 fez mesmo questão de acentuar que “Ir ou não ir nas listas é irrelevante” para si.

“Na vida política ninguém pode estar agarrado aos cargos. Tenho responsabilidades e deveres. E a minha responsabilidade e o meu dever é o de, neste momento, estar de corpo e alma, inteiramente, ao serviço do PS na questão europeia – e, para isso, não é preciso eu ir na lista”, alegou.

Para o antigo líder parlamentar do PS, a questão mais importante que se coloca no ato eleitoral de maio próximo é o seu partido “ganhar as eleições”.

É essencial contribuirmos para que o grupo social-democrata europeu tenha expressão no próximo Parlamento Europeu. Infelizmente, contrariamente ao que vai suceder em Portugal, em que vamos ganhar as eleições, em vários países europeus vamos ter perdas eleitorais”, advertiu.

Ainda sobre a sua continuidade no Parlamento Europeu, Francisco Assis afirmou não ter qualquer problema com esse tema.

“Fui candidato a deputado europeu há cinco anos num determinado contexto político e vou cumprir esse mandato até ao último dia. Quem neste momento dirige o partido tem toda a legitimidade e liberdade para escolher quem muito bem entender e ninguém deve ficar contrariado por não integrar uma lista de candidatos a deputados. Mais ainda: Se não integrar a lista, estarei totalmente disponível para participar ativamente na campanha eleitoral – um processo que considero muito importante para o futuro da Europa”, considerou.

Francisco Assis declarou depois ter “a certeza que o PS vai apresentar uma boa lista”, elogiando, então, o papel que tem sido desempenhado pelo atual líder socialista no plano europeu.

O António Costa, pelo seu discurso ao longo destes anos, dá-me garantias que é um europeísta absolutamente convicto. Se há marca que fica da ação governativa é precisamente essa, porque não cedeu em nada, nomeadamente em relação aos seus parceiros de coligação parlamentares, mantendo-se absolutamente fiel ao compromisso europeísta, que é uma marca que identifica a história política do PS. Hoje, António Costa é um dos primeiros-ministros mais europeístas, mais respeitados na Europa e dos mais prestigiados na esquerda democrática”, sustentou.

Confrontado com a ideia de que o atual primeiro-ministro, António Costa, poderá contar consigo para integrar um novo Governo socialista após as eleições legislativas de outubro próximo, Francisco Assis recusou-se a pronunciar-se sobre esse cenário.

“Esse é um tema sobre o qual não quero especular”, disse.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Três desafios para o 5.7

Alexandre Franco de Sá

Apesar das adversidades políticas, trata-se de despertar a direita acomodada e bocejante contra a hegemonia cultural de uma esquerda que, indisputada no espaço público, dociliza há décadas a sociedade

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)