Governo

Governo espera mais 2,1 mil milhões de euros em impostos em 2018

143

O Governo espera angariar mais 2,1 mil milhões de euros em impostos em 2018, representando um crescimento superior a 5%. Segundo António Mendonça Mendes "o alívio fiscal é efetivo".

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais afirmou que "com as regras de 2018, comparadas com as regras de 2015, as pessoas pagam menos mil milhões de euros"

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A receita fiscal em 2018 terá registado um crescimento superior a 5%, o que se traduzirá em mais 2,1 mil milhões de euros, disse esta quinta-feira o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

A nossa receita fiscal em 2018 crescerá em termos nominais cerca de 2,1 mil milhões de euros”, referiu António Mendonça Mendes, sublinhando que esta subida acontece num ano em que “não há nenhum aumento das taxas de imposto” e supera a taxa de crescimento nominal do Produto Interno Bruto, que ronda os 3,7%.

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, que falava em Lisboa numa conferência da Associação Fiscal Portuguesa sobre o tema “Os desafios da fiscalidade em 2019”, sublinhou ainda que 88% deste crescimento da receita fiscal se deve à evolução de três impostos, nomeadamente ao IRS, IRC e IVA.

Em relação ao IRS referiu que o acréscimo da receita — que deverá ter sido da ordem dos 4,6% — ocorre num contexto de desagravamento do imposto que permitiu às famílias pagar menos mil milhões de euros.

No IRS temos dito e repetido e é verdade: com as regras de 2018, comparadas com as regras de 2015, as pessoas pagam menos mil milhões de euros. O alívio fiscal é efetivo”, declarou.

No IRC é esperado que a receita aumente acima dos 9%, enquanto o IVA deverá avançar 5%. António Mendonça Mendes disse ainda que a subida deste imposto indireto reflete um crescimento “virtuoso” e “robusto”, na medida em que foi além do crescimento do consumo privado (3,7%).

Para estes resultados contribuíram, “essencialmente”, o crescimento da economia e a melhoria do combate à fraude e evasão fiscais.

Neste capítulo, Mendonça Mendes acentuou que sendo o apoio ao cumprimento voluntário a “primeira missão” da Autoridade Tributária e Aduaneira, também é seguro que a administração tem sido e continuará a ser “implacável com os que deliberadamente não cumprem, porque esses prejudicam todos”.

António Mendonça Mendes, que começou a sua intervenção por lançar “a pergunta que é saber se pagamos ou mão impostos a mais”, concluiu que o aumento da carga fiscal resulta do crescimento da economia.

“Se todas as medidas fiscais que tomámos fossem aplicadas num cenário estático desde 2015, isso significaria que a carga fiscal tinha recuado”, precisou.

O responsável pela pasta dos Assuntos Fiscais aproveitou a ocasião para salientar duas iniciativas que vão ser concretizadas em 2019, nomeadamente o relatório que está a ser feito para avaliar a relação entre a Autoridade Tributária e os contribuintes. O documento ficará concluído neste primeiro trimestre e incluirá medidas para prevenir litígios.

Outro dos documentos cuja conclusão está para breve é o que está a ser preparado pelo grupo de trabalho encarregado de avaliar os benefícios fiscais.

“A despesa fiscal deve ser tão transparente como a política de subsídios públicos”, afirmou o secretário de Estado.

Nesta conferência, o presidente do Conselho Diretivo da Associação Fiscal Portuguesa, Rogério Fernandes Ferreira, anunciou o lançamento de uma revista eletrónica sobre fiscalidade.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Três desafios para o 5.7

Alexandre Franco de Sá

Apesar das adversidades políticas, trata-se de despertar a direita acomodada e bocejante contra a hegemonia cultural de uma esquerda que, indisputada no espaço público, dociliza há décadas a sociedade

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)