Rádio Observador

Comissão Europeia

Juncker defende não haver “compromisso possível” na luta contra a corrupção

O presidente da Comissão Europeia defendeu que não existe "compromisso possível" na luta contra a corrupção, num discurso para assinalar o início oficial da presidência romena da União Europeia.

A Roménia tem sido alvo de duras críticas de Bruxelas devido à controversa reforma do seu sistema judicial

ROBERT GHEMENT/EPA

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, defendeu esta quinta-feira em Bucareste não haver “compromisso possível” na luta contra a corrupção, num discurso para assinalar o início oficial da presidência romena da União Europeia (UE).

Sim, a União Europeia é feita de compromissos, mas quando se trata dos direitos humanos, quando se trata do Estado de direito, da luta contra a corrupção, não há compromisso possível”, advertiu Jean-Claude Juncker perante os mais altos responsáveis romenos, reunidos para assistir a um concerto na sessão de abertura da presidência rotativa de seis meses do bloco comunitário.

A Roménia tem sido alvo de duras críticas de Bruxelas devido à controversa reforma do seu sistema judicial, que corre o risco de enfraquecer o combate à corrupção e minar o Estado de direito.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, lamentou, por seu lado, que “alguns na União Europeia pensem que é um sinal de força agir à margem das normas”. “Eles estão errados, é um sinal de fraqueza”, sublinhou.

Apelo aos romenos para que defendam os fundamentos da nossa civilização política: a liberdade, a integridade, o respeito da verdade na vida pública, o Estado de direito, a Constituição”, declarou, num discurso muito aplaudido proferido em romeno, numa altura em que muitos temem que Bucareste siga as passadas não liberais da Hungria.

Num momento em que o Governo romeno, social-democrata, multiplica as críticas a Bruxelas, que acusa de querer imiscuir-se na política interna do país, Juncker afirmou: “A Comissão [Europeia] é amiga da Roménia, embora algumas pessoas neste país pareçam por vezes duvidar disso.”

O presidente da câmara dos deputados e líder do partido social-democrata no poder, Liviu Dragnea, que primou pela ausência na sessão de gala, interpôs um processo contra a Comissão junto da justiça europeia, por considerar que a sua presunção de inocência não foi suficientemente respeitada num inquérito sobre uma presumível fraude com fundos europeus.

Melindrada pelas dúvidas verbalizadas no fim de dezembro por Jean-Claude Juncker sobre a capacidade de Bucareste para presidir à UE, a primeira-ministra romena, Viorica Dancila, expressou o desejo de que o seu país seja tratado com respeito.

“Nós queremos ser parceiros iguais e respeitados dentro da UE”, declarou.

Várias centenas de manifestantes estavam concentradas no exterior do auditório de Bucareste onde decorreu a sessão para exprimirem o seu apego aos valores europeus.

“A Roménia encontra-se numa encruzilhada, eles (os políticos) tentam há dois anos, e parcialmente conseguiram, pôr a justiça de joelhos para protegerem os corruptos”, disse à agência noticiosa francesa AFP Gheorghe Tenita, um reformado, brandindo uma bandeira da UE e outra da Roménia.

“UE, pedimos desculpa por este Governo”, lia-se num cartaz, enquanto os manifestantes repetiam o nome da Europa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)