Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo pede debate sereno sobre o fim das propinas no Ensino Superior

210

O Presidente da República considera que o país deve ponderar se não será melhor "mudar de caminho" relativamente ao sistema das propinas e pede um debate sereno a dez anos.

O chefe de Estado disse, esta terça-feira, concordar "totalmente" com a ideia de se caminhar para o fim das propinas

JOÃO RELVAS/LUSA

O Presidente da República voltou a explicar esta quinta-feira a sua posição sobre as propinas, defendendo que a realidade mostrou que o sistema português “não deu certo”, e pediu um debate sereno, a pensar a dez anos, tal como já tinha dito ao Observador na quarta-feira.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, “20 anos depois, a realidade mostrou que não se melhorou, que não deu certo aquilo que se pensava que iria dar certo em termos de transição do secundário para o superior, não provou bem”.

E, portanto, há que pensar serenamente e debater serenamente, a pensar em daqui a dez anos”, acrescentou, em resposta aos jornalistas, à saída de uma iniciativa na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

No seu entender, deve-se ponderar se não é melhor “mudar de caminho e aproximar-se de países, que os há, nomeadamente os países nórdicos, que do ponto de vista de homogeneidade social, desenvolvimento humano e de qualificações vão muito mais longe” do que Portugal.

O chefe de Estado foi questionado sobre este tema tendo em conta a posição que assumiu na terça-feira, quando disse concordar “totalmente” com a ideia de se caminhar para o fim das propinas, e referiu que já a tinha explicado, através de uma nota, na quarta-feira.

No entanto, dispôs-se a repetir essa explicação, “que se resume numa palavra”, e começou por enquadrar o seu posicionamento sobre as propinas quando liderou o PSD, há 20 anos, e o PS estava no Governo: “A minha posição era de abstenção e o partido absteve-se.”

Na altura, o PSD “não apoiou a legislação que foi aprovada, mas absteve-se”, frisou.

Entretanto, “a realidade mostrou que não se melhorou, que não deu certo”, e, face a isso, “há que pensar serenamente e debater serenamente”, prosseguiu Marcelo Rebelo de Sousa.

“Esse debate está aberto, há que travá-lo calmamente, no futuro. Não há que dramatizá-lo. Não é para este orçamento, não é para amanhã, nem depois de amanhã. É apenas retirar as lições de não ter funcionado aquilo que se pensava que podia ter funcionado”, insistiu.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

Enfermeiros: Presidente traiu o dever de isenção 

Humberto Domingues
2.817

O Presidente da República traiu o seu dever da isenção, num programa de televisão, qualificando algumas questões profundas, com um discurso pobre, superficial, tendencioso, daninho e danoso.

Governo

Cogitações sobre a remodelação /premium

Maria João Marques

Costa promoveu pessoas com pouquíssima experiência profissional fora da vida política. É dos piores indicadores para qualquer político. Viver sempre na bolha dos partidos é péssimo cartão de visita.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)