Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo pede debate sereno sobre o fim das propinas no Ensino Superior

210

O Presidente da República considera que o país deve ponderar se não será melhor "mudar de caminho" relativamente ao sistema das propinas e pede um debate sereno a dez anos.

O chefe de Estado disse, esta terça-feira, concordar "totalmente" com a ideia de se caminhar para o fim das propinas

JOÃO RELVAS/LUSA

O Presidente da República voltou a explicar esta quinta-feira a sua posição sobre as propinas, defendendo que a realidade mostrou que o sistema português “não deu certo”, e pediu um debate sereno, a pensar a dez anos, tal como já tinha dito ao Observador na quarta-feira.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, “20 anos depois, a realidade mostrou que não se melhorou, que não deu certo aquilo que se pensava que iria dar certo em termos de transição do secundário para o superior, não provou bem”.

E, portanto, há que pensar serenamente e debater serenamente, a pensar em daqui a dez anos”, acrescentou, em resposta aos jornalistas, à saída de uma iniciativa na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

No seu entender, deve-se ponderar se não é melhor “mudar de caminho e aproximar-se de países, que os há, nomeadamente os países nórdicos, que do ponto de vista de homogeneidade social, desenvolvimento humano e de qualificações vão muito mais longe” do que Portugal.

O chefe de Estado foi questionado sobre este tema tendo em conta a posição que assumiu na terça-feira, quando disse concordar “totalmente” com a ideia de se caminhar para o fim das propinas, e referiu que já a tinha explicado, através de uma nota, na quarta-feira.

No entanto, dispôs-se a repetir essa explicação, “que se resume numa palavra”, e começou por enquadrar o seu posicionamento sobre as propinas quando liderou o PSD, há 20 anos, e o PS estava no Governo: “A minha posição era de abstenção e o partido absteve-se.”

Na altura, o PSD “não apoiou a legislação que foi aprovada, mas absteve-se”, frisou.

Entretanto, “a realidade mostrou que não se melhorou, que não deu certo”, e, face a isso, “há que pensar serenamente e debater serenamente”, prosseguiu Marcelo Rebelo de Sousa.

“Esse debate está aberto, há que travá-lo calmamente, no futuro. Não há que dramatizá-lo. Não é para este orçamento, não é para amanhã, nem depois de amanhã. É apenas retirar as lições de não ter funcionado aquilo que se pensava que podia ter funcionado”, insistiu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

O povo é quem mais ordena e a CGTP está fora /premium

André Abrantes Amaral

Quando os motoristas de matérias perigosas param o país e não se revêem na CGTP é a própria Concertação Social que está posta em causa, o que revela o quanto a geringonça distorceu esta democracia.

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
143

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)