Estados Unidos da América

Mike Pompeo critica “erros” da administração Obama no Médio Oriente

Mike Pompeo promete que continuará os esforços diplomáticos para "expulsar" as forças iranianas da Síria e diz que a estratégia "ingénua e tímida" de Obama contribuiu para a revolta no Médio Oriente.

O chefe da diplomacia dos EUA, Mike Pompeo, está por estes dias a realizar um périplo pelo Médio Oriente

ANDRE PAIN/EPA

O chefe da diplomacia dos EUA, Mike Pompeo, apelou esta quinta-feira aos aliados árabes para lutarem juntos contra o Irão e criticou a administração Obama pela estratégia “equívoca” para o Médio Oriente, durante um périplo na região.

Mike Pompeo prometeu que os EUA continuarão os esforços diplomáticos, com os seus aliados, para “expulsar” as forças iranianas da Síria, mesmo depois da anunciada retirada de militares norte-americanos daquele conflito.

No segundo dia de um périplo pelo Médio Oriente, durante a visita ao Cairo, o secretário de Estado dos EUA considerou que a situação na região se agravou em grande parte devido aos “equívocos” e “fantasias” da estratégia da administração democrata de Barack Obama.

Pompeo afirmou que a estratégia “ingénua e tímida” de Obama contribuíram para as revoltas que abalaram o Médio Oriente, incluindo o Egito, a partir de 2011.

O chefe da diplomacia norte-americana referiu mesmo um discurso de Barack Obama, em 2009, no Cairo, quando o então Presidente dos EUA falou de um “novo começo” para as relações com os países do mundo árabe.

Ele (Obama) disse-vos que o islamismo radical não deriva da ideologia. Ele disse que o 11 de setembro levou o meu país a abandonar os ideais, particularmente no Médio Oriente. Ele disse-vos que os Estados Unidos e o mundo islâmico precisavam de ‘um novo começo’. Os resultados desses erros de julgamento foram terríveis”, afirmou esta quinta-feira Pompeo.

Para remediar estes erros, Pompeo pediu aos aliados do mundo árabe para se envolverem ainda mais determinadamente para combater os radicalismos árabes e para conter a estratégia iraniana na região.

Depois de confirmar que os EUA retirarão os cerca de dois mil soldados da Síria, Pompeo pediu que os países no Médio Oriente superassem “antigas rivalidades” e se unissem na luta contra o Irão, para bem da região.

“Quando os Estados Unidos se retiram, produz-se o caos. Quando descuidamos os amigos, o ressentimento aumenta”, afirmou Pompeo, assegurando que os EUA aprenderam com os erros e não vão negligenciar os aliados.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Japão

Pegar o touro pelos cornos /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não deixa de ser irónico que as potências por detrás da intransigência doutrinária da Comissão Baleeira Internacional sejam as mesmas que, no século 19, exigiram ao Japão que lhes abrisse os portos...

Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)