Justiça

Ordem dos Advogados repudia e considera “inaceitável” ataque informático à PLMJ

A Ordem dos Advogados considera "absolutamente inaceitável" o ataque informático de que foi alvo a sociedade de advogados PLMJ. "É um ataque ao coração" da advocacia, considera.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

“A divulgação de tais supostos elementos, para além de constituir a prática de ilícitos graves, incluindo penais, seja por parte de quem os obtém, como de quem os descarrega, divulga e noticia é, ainda, um dos maiores ataques a que a advocacia, enquanto profissão que se quer livre e garante dos direitos dos cidadãos, pode ser alvo. Trata-se de um ataque ao seu coração“, refere um comunicado assinado pelo bastonário, Guilherme Figueiredo, enviado à agência Lusa e entretanto divulgado no site da ordem.

A Ordem afirma que “a liberdade dos cidadãos e a sua confiança no segredo da profissão de que a advocacia tem de beneficiar” são baluartes “dos direitos, liberdades e garantias previstos constitucionalmente”.

Uma advocacia sem medo e sem que os cidadãos tenham medo de a ela recorrer é essencial para a vida em democracia e para a proteção dos direitos de todos, pelo que procurar condicioná-la, seja de que forma for, tem de merecer, da sociedade, o maior repúdio e censura. Trata-se de um inaceitável atentado ao Estado de Direito e de um atentado de que todos, advogados e não só, são vítimas e em que todos estão na mira”, sublinha.

A OA afirma que “a prática, repetida, de crimes de teor informático e, subsequente, prática de crimes de divulgação de correspondência privada (inclusive na comunicação social) afeta a sociedade em geral e exige uma resposta imediata por parte das autoridades públicas“.

A Ordem dos Advogados garante que “tudo fará a bem da liberdade da advocacia e, consequentemente e sobretudo, das garantias dos direitos dos cidadãos, para que a prática destes ilícitos cesse imediatamente e que aqueles que os praticam respondam perante os tribunais”.

A Lusa noticiou na terça-feira que a Polícia Judiciária está a investigar “há algum tempo” o ataque informático de que foi alvo a sociedade de advogados PLMJ, que garantiu já ter tomado medidas de proteção e contenção.

Fonte da PJ disse à agência Lusa que “o assunto está a ser tratado já há algum tempo“, sem especificar desde quando, no dia em que a sociedade de advogados revelou ter sido alvo de pirataria informática, estando a avaliar o impacto potencial desse acesso ilegítimo a informação.

Em nota enviada à comunicação social, a PLMJ precisava que, na sequência de “sucessivas tentativas de intrusão ilícitas”, a segurança da sua rede “foi recentemente comprometida”. A PLMJ adianta que a “segurança das informações dos clientes e a defesa dos seus interesses e direitos” são uma prioridade, sem, contudo, adiantar mais pormenores sobre o ato de pirataria informática.

Segundo notícias divulgadas na terça-feira, as informações confidenciais pirateadas da sociedade de advogados foram publicadas no blogue “Mercado de Benfica”, que já tinha revelado correio eletrónico de responsáveis do clube.

A PLMJ é um dos escritórios de advogados que participaram na defesa da SAD benfiquista no processo E-Toupeira, que culminou com o arquivamento dos indícios relativos àquela sociedade desportiva. Entre os processos judiciais mais mediáticos nos quais participaram advogados da PLMJ estão os Vistos Gold, o caso das Secretas/Jorge Silva Carvalho, o caso EDP e a Operação Marquês.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)