PSD

Pedro Duarte dá empurrão a destituição de Rio: “Tudo o que seja para melhorar é bem-vindo”

O antigo líder da JSD e antigo secretário de Estado, que já tinha desafiado Rui Rio em agosto, diz que é cedo para dizer se será candidato, mas diz que é sempre uma "evolução" mudar para melhor.

O antigo líder da JSD, Pedro Duarte, diz que está a olhar para o movimento para destituir Rui Rio como “observador”, mas dá a ideia de que concorda com o afastamento do presidente do PSD: “Quando mudamos para melhor é sempre um progresso e uma evolução”. Sobre se estará ao lado de Luís Montenegro numa futura disputa, Pedro Duarte voltou a repetir: “Tudo o que seja para melhorar é um passo em frente e é bem-vindo.” Sobre se será candidato, o antigo líder do PSD remete para as declarações ao Expresso em agosto, em que defendeu que o PSD devia “mudar de estratégia e de liderança tão cedo quanto possível.”

Quanto a uma eventual candidatura em futuras diretas, Pedro Duarte — que falava à entrada da convenção do Movimento Europa e Liberdade — disse que era “cedo” para falar sobre o assunto e voltou a remeter para essas declarações de agosto, quando se disse “preparado para liderar uma nova estratégia no PSD e uma nova esperança para o país, em nome do interesse nacional.” Para já não se colocou nem dentro, nem fora da corrida.

Após nova insistência sobre se apoiaria Luís Montenegro, voltou a dizer que era cedo para tomar uma posição: “É muito cedo para nos pronunciarmos sobre isso. Sinceramente estou a observar com toda a atenção, mas sou um observador de todo esse processo. Naturalmente quando for o momento, vou-me pronunciar sobre isso”.

Luís Montenegro está preparado para avançar caso a direção de Rui Rio seja destituída por via de uma moção de censura no Conselho Nacional.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Política

A reconstrução da direita /premium

Luís Rosa
301

A refundação da direita alargará o leque de escolhas dos eleitores. Optar entre socialistas e social-democratas não é verdadeiramente uma opção porque são duas faces do mesmo disco do rotativismo

Política

Três desafios para o 5.7

Alexandre Franco de Sá

Apesar das adversidades políticas, trata-se de despertar a direita acomodada e bocejante contra a hegemonia cultural de uma esquerda que, indisputada no espaço público, dociliza há décadas a sociedade

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)