Angola

UNITA declara 2019 como “ano da consagração” de Jonas Savimbi

A decisão responde às críticas feitas a 21 de dezembro pelo Presidente João Lourenço, que referiu que o Governo está preparado para exumar os restos mortais de Jonas Savimbi, morto em combate em 2002.

Ampe Rogério/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A UNITA, maior força da oposição angolana, declarou 2019 como “ano da consagração da memória” do líder histórico e fundador Jonas Savimbi, morto em combate em 2002, indica esta quinta-feira em comunicado o partido do “Galo Negro”.

Segundo o documento, a decisão foi tomada quarta-feira na primeira reunião deste ano do Secretariado Executivo do Comité Permanente da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), liderada pelo presidente do partido, Isaías Samakuva.

A fim de dar cumprimento à resolução da IV Reunião Ordinária da Comissão Política, realizada em dezembro passado, segundo a qual os anos devem passar a ser dedicados a um objetivo, programa ou acontecimento relevante à vida do partido, como era tradição num passado não muito distante, o Secretariado Geral do partido foi orientado no sentido de dar a devida divulgação à decisão que dedica o ano de 2019 à Consagração da Memória do Dr. Jonas Malheiro Savimbi”, lê-se no comunicado.

A decisão surge como “resposta” às críticas feitas a 21 de dezembro último pelo Presidente angolano, João Lourenço, que referiu que o Governo está preparado para, “a qualquer momento”, exumar os restos mortais do líder fundador da UNITA e trasladá-los para onde a família e o partido da oposição entenderem, denunciando o “silêncio” do partido da oposição.

Na ocasião, numa conferência de imprensa, João Lourenço sublinhou não perceber a insistência da UNITA, quando é o próprio partido do “Galo Negro” que está a “vacilar” nessa vontade. “Estamos preparados para, a qualquer momento, depositar os restos mortais [de Jonas Savimbi] onde quiserem. Mas a UNITA pede-nos calma. Muitas famílias gostariam da ajuda do Estado para localizar, exumar e transladar os familiares [que morreram durante o conflito angolano, entre 1975 e 2002], afirmou.

“A UNITA está a atrasar o processo”, acrescentou João Lourenço, que explicou que, após tomar posse, em setembro de 2017, o líder do partido do “Galo Negro”, Isaías Samakuva, lhe deu conta da situação e pediu celeridade no processo.

Na altura, acrescentou, disse ter procurado inteirar-se da situação e reativado a comissão de acompanhamento do processo, que juntava uma delegação do Governo, outra da UNITA e a família de Jonas Savimbi. “A UNITA queixava-se da lentidão do processo, mas nós estamos a tentar resolver o caso. É como se dissessem agora: ‘Não, não. Tenham calma. Não temos pressa'”, referiu João Lourenço, garantindo que o processo terá também de passar testes de ADN, um a nível oficial e outro pela família”, referiu.

Uma semana antes, a 15 de dezembro, em declarações à Lusa, o porta-voz da UNITA, Alcides Sakala, indicou que os restos mortais de Jonas Savimbi, que se encontram sepultados à guarda do Governo angolano próximos de Lucesse, na província do Moxico, onde foi abatido durante a guerra civil, só serão exumados em 2019. Alcides Sakala indicou então que estão a decorrer discussões entre a UNITA e o Governo para a definição de um calendário e data para a operação.

Em agosto de 2108, na sequência de nova reunião entre João Lourenço e Samakuva, o chefe de Estado angolano garantiu o “empenho pessoal” para que o processo de exumação dos restos mortais de Jonas Savimbi ficasse concluído ainda este ano.

“O ano já está no fim, naturalmente. Mas o importante é que as discussões continuam. Estas condições criadas para o efeito têm vindo a aproximar pontos de vista. Vai-se definir um quadro de passos que têm de ser dados e pensamos que, no início do próximo ano, poderemos apresentar eventualmente um cronograma quase definitivo deste processo”, disse, a 15 deste mês, o porta-voz da UNITA.

O líder histórico da UNITA nasceu a 3 de agosto de 1934, no Munhango, a comuna fronteiriça entre as províncias do Bié e Moxico, e viria a ser morto em combate após uma perseguição das Forças Armadas Angolanas a 22 de fevereiro de 2002, próximo de Lucusse, no Moxico.

A exumação dos restos mortais de Jonas Savimbi insere-se no quadro da “reconciliação nacional” promovida por João Lourenço — Governo e UNITA mantiveram uma guerra civil de 27 anos (1975/2002) –, que já permitiu realizar idêntico processo, concluído com uma homenagem ao mais alto nível, a um alto militar do exército do “Galo Negro”, o general Arlindo Chenda Pena “Ben Ben”, em setembro.

“Ben Ben” foi comandante do antigo exército da UNITA, as Forças Armadas de Libertação de Angola (FALA), e, após a breve reconciliação concretizada em 1998, foi designado ex-chefe adjunto das Forças Armadas Angolanas (FAA), quando, no mesmo ano, viria a morrer devido a doença. Os restos mortais de “Ben Ben” estavam sepultados num cemitério em Zandfontein, próximo de Pretória, na África do Sul.

Esta quinta-feira, no comunicado da reunião, o Secretariado Executivo do Comité Permanente da Comissão Política da UNITA, indicou, por outro lado, ter orientado o grupo parlamentar do partido para insistir junto da Assembleia Nacional nos pedidos da criação de comissões parlamentares de inquérito sobre os casos do Banco Espírito Santo Angola (BESA), sobre a dívida pública, sobre o Fundo Soberano e sobre a Sonangol.

“Estes e outros casos que estão na origem do agravamento da pobreza que assola o país e do funcionamento ineficiente das instituições continuam envoltos num manto de silêncio sem que o soberano saiba a verdade sobre as causas da sua desgraça, apesar da Constituição do País lhe garantir o direito de se informar e ser informado, sem impedimentos”, lê-se no comunicado.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)