Teatro

Artistas Unidos levam “O teatro da amante inglesa” ao Teatro do Bolhão até sábado

À semelhança do que Truman Capote fizera com "A sangue frio", a peça "O teatro da amante inglesa" aborda a fronteira do mal e questiona onde começa a loucura e o crime.

A fronteira do mal, onde começa o crime, é colocada em questão na peça "O teatro da amante inglesa", de Marguerite Duras

JOSÉ COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A fronteira do mal, onde começa o crime, é colocada em questão na peça “O teatro da amante inglesa”, de Marguerite Duras, que os Artistas Unidos apresentam esta sexta-feira e sábado no Teatro do Bolhão, no Porto.

A partir da tradução de Luiz Francisco Rebello — estreada em julho de 1970, no Teatro-Estúdio de Lisboa, com encenação de Luzia Martins –, e da última versão da peça editada em vida de Marguerite Duras (1914-1996), Jorge Silva Melo criou uma versão que agora apresenta no Porto depois da estreia em Lisboa e de passagens pelas Caldas da Rainha, Évora, Alverca e Setúbal.

A escolha desta peça surgiu por acaso quando, num ensaio de uma outra, Silva Melo viu a atriz Isabel Muñoz Cardoso, sentada, e a cena provocou-lhe uma sensação de dejà vu. “Onde é que já visto? Ah, sim, quando a [atriz britânica] Peggy Ashcroft fez esta peça [de Duras], que vi no Royal Court, em Londres, em 1975/76”, explicou o encenador dos Artistas Unidos, na apresentação da obra.

Entretanto, o também diretor daquela companhia tinha descoberto a tradução de Rebello, inédita em edição livreira, e recuperou-a, confirmando então a ideia de que esta obra “é dos diabos”, explicou.

A escritora francesa construiu o drama da “amante inglesa” a partir de um crime autêntico de que teve conhecimento em 1949: uma mulher que matara o marido, o esquartejara, e atirara os pedaços do cadáver para cima de comboios de mercadorias, que passavam por baixo de um viaduto em Savigny-sur-Orge.

A partir deste crime, Duras escreveu um romance “A amante inglesa” e uma peça de teatro com quatro personagens. A versão final da escritora data dos anos de 1970 e conta com três personagens, explicou Silva Melo. “Significa que Duras esteve para aí 20 anos obcecada com esta história. Vai de 1949, quando descobre o crime, a 1971/72 quando é feita a terceira versão”, indicou Silva Melo. Daí que a peça apresente algumas contradições que Jorge Silva Melo não retirou da versão que leva ao palco.

Na tradução de Luiz Francisco Rebello, a peça intitula-se “Quem é esta mulher?”. Um título que Jorge Silva Melo diz estar muito correto, uma vez que o que se pretende questionar na peça é quem é afinal esta mulher que matou, esquartejou e atirou os pedaços do cadáver do marido para cima de comboios de mercadorias.

Abordar a fronteira do mal e questionar onde começa a loucura e o crime são questões patentes no drama, à semelhança do que Truman Capote fizera com “A sangue frio”, sobre o assassinato de uma família, no Kansas rural, e Michel Foucault, que estudou, em “Eu, Pierre Rivière que degolei a minha mãe, a minha irmã e o meu irmão”, um caso ocorrido em França no início do século XX.

“Que comportamentos são estes? Como é que somos tão banais?”, são outras questões subjacentes na peça que retrata igualmente a solidão de um casal onde já não há espaço para afetos.

Protagonizada por Isabel Munõz Cardoso, João Meireles e Pedro Carraca, a peça vai estar em cena esta sexta-feira e sábado, às 21h30. A peça volta a ser posta em palco nos dias 18 e 19 de janeiro, em Aveiro, e no Cacém, no dia 26 do mesmo mês.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)