Função Pública

Aumento da função pública para 635 euros livre de retenção na fonte

142

"Na atualização das tabelas de retenção de IRS, o Governo terá em consideração este aumento" precisa o Ministério, ou seja, os trabalhadores ficam isentos do adiantamento mensal do imposto.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

As tabelas de retenção na fonte para 2019 vão acautelar o aumento da remuneração base da função pública para os 635,07 euros, segundo indica o Ministério das Finanças. “Na atualização das tabelas de retenção de IRS, o Governo terá em consideração este aumento [para os 635 euros]” precisa o Ministério em comunicado divulgado depois das reuniões com os sindicatos que decorreram na quinta-feira, ou seja, aqueles trabalhadores ficam isentos deste adiantamento mensal do imposto.

Fiscalistas ouvidos pela Lusa acreditam que, com o novo Indexante de Apoios Sociais (que aumentou para 453,76 euros) e o novo salário mínimo nacional (que foi fixado nos 600 euros), este patamar deveria ser atingido, uma vez que as tabelas são desenhadas tendo em conta estes fatores, a situação familiar do contribuinte, a dedução específica e as deduções à coleta.

As tabelas de retenção na fonte são ajustadas com base em vários elementos e o início da tabela de retenção pode e deve ser mais elevado do que o valor do salário mínimo nacional”, afirmou o fiscalista e ex-diretor do IRS Manuel Faustino.

Nas tabelas que foram aprovadas para 2018 foram dispensados de fazer retenção na fonte os trabalhadores por conta de outrem e pensionistas com salários e pensões, respetivamente, inferiores aos 632 euros.

Em declarações à Lusa, à margem da conferência sobre “os desafios da fiscalidade em 2019”, que decorreu na quinta-feira, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais referiu que estão a ser preparadas novas tabelas de retenção na fonte do IRS. Estas tabelas irão refletir o novo valor do Indexante de Apoios Sociais – que ainda aguarda publicação – e, consequentemente, o novo valor do mínimo de existência, ou seja, a parcela de rendimento líquido que o Estado garante a cada trabalhador e pensionista.

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais não quis adiantar se a atualização destas tabelas irá ter em conta apenas esta realidade ou se incluirá ajustamentos nas taxas que são aplicadas a quem recebe remunerações e pensões acima destes patamares de valor.

O Orçamento do Estado para 2018 procedeu a um alargamento dos escalões de rendimento e a uma descida das taxas do IRS mas as simulações então realizadas por várias consultoras indicavam que o efeito daquela medida não foi integralmente vertido nas tabelas de retenção na fonte que estão a ser aplicadas desde janeiro do ano passado.

Entretanto, no final das reuniões de quinta-feira, o secretário-geral da Federação dos Sindicatos da Administração Pública (Fesap), José Abraão, adiantou que o governo manifestou abertura para fazer alterações fiscais no sentido de colocar os assistentes técnicos que ganham 683 euros dentro do limite de isenções de IRS. “O Governo manifestou sensibilidade para aquilo que é o limite de IRS que são os 632 euros. As novas tabelas remuneratórias do IRS vão ser superiores aos 635 euros ou 637 euros, de modo a que quem tiver na [nova] primeira posição remuneratória (635 euros) não pague IRS”, afirmou Abraão.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde

Choque de Gestão na ADSE

Rui Nunes
327

É exigência ética que os recursos que os funcionários e agentes do Estado colocam à disposição do conselho diretivo sejam usados de forma eficiente para garantir a sustentabilidade deste subsistema.

Eleições Europeias

O Roteiro dos Quatro Presidentes

António Covas

É esta acumulação de riscos, esta “desesperança no futuro”, onde o elevador social parece não funcionar, que estão a minar, a pouco e pouco, a confiança nas instituições e a criar o azedume político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)