África do sul

Escola primária acusada de segregação racial na África do Sul

Em causa está a divulgação de uma imagem de uma sala com crianças brancas e negras separadas. As aulas foram suspensas e a escola permanece fechada, enquanto as autoridades investigam o incidente.

Bandeira da África do Sul

Ana Freitas/LUSA

Uma escola primária sul-africana está a ser acusada de segregação racial, depois de ter sido divulgada a imagem de uma sala com crianças brancas e negras sentadas separadamente durante a aula. As aulas no centro Laerskool Schweizer-Reneke, no nordeste da África do Sul, foram suspensas na quinta-feira e a escola permanece esta sexta-feira fechada, enquanto as autoridades locais investigam o incidente.

A fotografia tornou-se viral e gerou uma onda de indignação na sociedade sul-africana, que durante mais de 40 anos viveu sob o regime segregacionista do apartheid. A imagem, tirada durante o primeiro dia de aulas de janeiro, mostra cerca de duas dezenas de crianças brancas sentadas numa mesa comum e quatro crianças negras sentadas numa mesa menor, separada.

A fotografia foi compartilhada com os pais, num grupo de mensagens, pelo próprio professor responsável pela turma, cuja identidade não foi divulgada, mas que as autoridades adiantaram ter sido suspenso.

Os alunos têm idades entre os cinco e os seis anos e, após a polémica, a escola alegou que a divisão tinha sido em função dos alunos que sabiam falar africânder (língua falada pelos descendentes dos colonizadores europeus). Os pais dos alunos separados e a comunidade negra asseguram, no entanto, que o racismo está fortemente enraizado naquela zona.

“Só vi mensagens de pais brancos a agradecer o envio da foto. Ninguém dizia nada sobre a separação dos alunos”, contou ao portal sul-africano Times a mãe de uma das crianças.

O ministro da Educação provincial, Sello Lehari, visitou a escola na sequência da contestação, que levou pais e comunidade a manifestarem-se em frente ao centro escolar. “Pela informação que recebi na reunião, parece que há aqui muitos casos de racismo. Vamos criar uma equipa para investigar todas as escolas da região e lidar com as questões do racismo globalmente”, disse, no final da visita.

Mais de um quarto de século depois da democratização da África do Sul, o passado de segregação racial continua presente em vários setores da sociedade e o racismo é um tema extremamente sensível. O regime segregacionista do apartheid manteve oficialmente a maioria negra do país submetida ao domínio de uma minoria branca entre 1948 e 1994.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)