Educação

FNE vai percorrer país com bandeira do tempo de serviço antes de a entregar ao primeiro-ministro

A iniciativa vai ter lugar na praça da Liberdade, no Porto, onde a Federação Nacional de Educação espera o apoio de centenas de docentes para assinar a bandeira a ser entregue em Lisboa em fevereiro.

A FNE pretende mostrar ao Governo e ao Ministério da Educação que não desiste de lutar pela recuperação integral do tempo de serviço congelado

LUSA

A Federação Nacional de Educação (FNE) lança esta sexta-feira a campanha ‘942 — Só queremos o que é nosso”, que vai promover, em todo o país, o “desfraldar de uma enorme bandeira”, assinada pelos professores, a ser depois entregue ao primeiro-ministro.

A primeira iniciativa vai ter lugar na praça da Liberdade, no Porto, onde a FNE espera “o apoio de centenas de docentes” para assinar a bandeira que vão levar a percorrer as 18 capitais de distrito nas próximas semanas e que pretendem entregar a 8 de fevereiro em Lisboa, na residência oficial do primeiro-ministro.

“Com esta ação, a FNE visa mostrar ao Governo e ao Ministério da Educação que não desiste de lutar pelo direito da recuperação integral do tempo de serviço congelado aos professores portugueses”, lê-se num comunicado divulgado pela estrutura sindical.

A FNE reitera a “total disponibilidade para o retomar das negociações com o Governo, mas também a intransigência” em relação à contabilização dos nove anos, quatro meses e dois dias de tempo de serviço congelado, afirmando que não vão abdicar de “um único dia”.

“Para a FNE seria inadmissível que o Governo quisesse repetir em 2019 a estratégia que adotou em 2018, o que, a acontecer, constituiria uma atitude de desrespeito inaceitável, quer em relação à Assembleia da República, quer em relação aos educadores e professores portugueses”, alerta a federação.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Escolas

É agora que se aposta no sucesso escolar de 2019

Diogo Simões Pereira
230

É agora que os alunos, sobretudo os que receberam notas negativas como “presente de Natal”, têm de decidir se querem ou não fazer um esforço extra durante os próximos seis meses.

IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)