França

Mais de 2 mil migrantes vivem em tendas nas ruas do nordeste de Paris

Cerca de 2.039 migrantes vivem em acampamentos improvisados nas ruas do nordeste de Paris. Face a esta realidade, o executivo francês vai "abrir muito em breve" 1.200 lugares de abrigo.

A prefeitura da região parisiense sublinhou que a zona registou "um aumento de 45% no número de requerentes de asilo" em 2018

IAN LANGSDON/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Mais de 2 mil  migrantes vivem atualmente em acampamentos improvisados nas ruas do nordeste de Paris, estando o Estado a preparar a criação de 1.200 lugares em abrigos, indicou esta sexta-feira a agência France Presse.

Um total de 2.039 migrantes, nível inédito desde a primavera, foi recenseado na quarta-feira pela associação França terra de asilo (FTDA). Mais de 800 dos migrantes encontram-se na zona de Porte de la Chapelle.

A AFP assinala tratar-se de uma subida significativa, dado que uma semana antes a FTDA tinha registado 1.728 pessoas nos mesmos acampamentos, numa base de duas pessoas por tenda.

Existem outros campos, mais pequenos mas igualmente insalubres, noutras zonas de Paris, como Saint-Denis, Porte de Clignancourt ou Porte de la Villette.

Interrogada pela AFP, a prefeitura da região parisiense sublinhou que a zona registou “um aumento de 45% no número de requerentes de asilo” em 2018, contra “20% ao nível nacional”, o que “saturou os centros de abrigo para migrantes”.

Face a esta realidade, o governo vai reforçar nos próximos dias os meios de acomodação dos requerentes de asilo. Vão abrir muito em breve na Ilha de França (região parisiense) 1.200 lugares de abrigo para migrantes graças ao apoio do Ministério da Coesão Territorial”, afirmou o prefeito Michel Cadot.

Os acampamentos improvisados tinham praticamente desaparecido de Paris após a evacuação em junho do que se encontrava perto da Porte de la Villette.

As forças de segurança tentaram desde então impedir o seu reaparecimento, desalojando os migrantes logo que se instalavam, mas as associações de ajuda começaram a lançar o alerta para novas situações de risco no final de dezembro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Japão

Pegar o touro pelos cornos /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não deixa de ser irónico que as potências por detrás da intransigência doutrinária da Comissão Baleeira Internacional sejam as mesmas que, no século 19, exigiram ao Japão que lhes abrisse os portos...

Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)