Rádio Observador

Ministério da Defesa

Ministro da Defesa quer “aproximação” entre Forças Armadas e sociedade

O ministro da Defesa afirma que a "ligação" das Forças Armadas e da Defesa à sociedade é "um desafio permanente" e, por isso, defende que "compete a todos" uma aproximação.

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, intervinha na cerimónia que assinalou o Dia da Academia Militar, em Lisboa

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, assinalou esta sexta-feira que o conhecimento sobre a Defesa e sobre as Forças Armadas é insuficiente junto da sociedade em geral e defendeu que “compete a todos” uma aproximação.

Nunca houve tanta informação, tanta forma de aceder a conhecimento. Infelizmente, o conhecimento relativo à Defesa Nacional é ainda insuficientemente disseminado na nossa sociedade”, disse.

O ministro intervinha na cerimónia que assinalou o Dia da Academia Militar, em Lisboa, e na qual participaram o Chefe do Estado-Maior do Exército, general Nunes da Fonseca, e anteriores CEME, Rovisco Duarte e Carlos Jerónimo, entre vários oficiais generais presentes.

Considerando que a “ligação” das Forças Armadas e da Defesa à sociedade é “um desafio permanente”, Gomes Cravinho afirmou que “compete a todos procurar uma aproximação, esclarecer e dar a conhecer”.

O governante defendeu ainda que a Academia Militar deve ser “proativa a este respeito”, encarando a ligação à sociedade como “um investimento importante para o futuro da Defesa nacional”.

Às instituições de ensino superior militar cabe “afirmar as especificidades do pensamento e do ensino militar, ao mesmo tempo que beneficiam das abordagens multidisciplinares” e “experiências distintas” que a sociedade portuguesa integra, disse.

Como exemplo, o ministro propôs à Academia Militar que incorpore “na sua formação as questões de género e que aumente a presença feminina entre os seus alunos” — atualmente as mulheres representam 10% do total.

Gomes Cravinho destacou que a Academia Militar “tem sido pioneira” no ensino e investigação na área da ‘ciberdefesa’, com uma pós-graduação em articulação com o Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa.

O investimento na formação em ‘ciberdefesa’ está em sintonia com “as prioridades do país e da Defesa Nacional”, tal como na área da “liderança”, disse.

Antes, o diretor da Academia Militar, major-general Vieira Borges, referiu que, pelo terceiro ano consecutivo, a Academia Militar ultrapassou o milhar de candidatos, com 1.043 candidatos em 2018, que preencheram as 93 vagas autorizadas, 63 das quais para o Exército e 30 para a GNR.

Entre as prioridades para 2019, o diretor da Academia Militar apontou a “melhoria da qualidade da formação militar e comportamental dos alunos” com as “atualizações do novo paradigma da segurança e defesa”, visando o reforço da autonomia, da iniciativa e da inovação.

Mais investimento no corpo docente, em especial dos militares, o reforço das ciências militares e da investigação e a “melhoria da funcionalidade e habitabilidade das instalações” da Academia Militar nos aquartelamentos da Amadora e de Lisboa foram as outras prioridades definidas pelo general.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
808

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida
217

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Educação

Cheques de Ensino

Diogo Fernandes Sousa

Com os cheques de ensino se um pai se enganasse afetaria apenas o seu filho. Agora, se um político se engana no Ministério da Educação, como sucede regularmente, afeta toda uma geração de estudantes

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)