Ministério da Defesa

Ministro da Defesa quer “aproximação” entre Forças Armadas e sociedade

O ministro da Defesa afirma que a "ligação" das Forças Armadas e da Defesa à sociedade é "um desafio permanente" e, por isso, defende que "compete a todos" uma aproximação.

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, intervinha na cerimónia que assinalou o Dia da Academia Militar, em Lisboa

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, assinalou esta sexta-feira que o conhecimento sobre a Defesa e sobre as Forças Armadas é insuficiente junto da sociedade em geral e defendeu que “compete a todos” uma aproximação.

Nunca houve tanta informação, tanta forma de aceder a conhecimento. Infelizmente, o conhecimento relativo à Defesa Nacional é ainda insuficientemente disseminado na nossa sociedade”, disse.

O ministro intervinha na cerimónia que assinalou o Dia da Academia Militar, em Lisboa, e na qual participaram o Chefe do Estado-Maior do Exército, general Nunes da Fonseca, e anteriores CEME, Rovisco Duarte e Carlos Jerónimo, entre vários oficiais generais presentes.

Considerando que a “ligação” das Forças Armadas e da Defesa à sociedade é “um desafio permanente”, Gomes Cravinho afirmou que “compete a todos procurar uma aproximação, esclarecer e dar a conhecer”.

O governante defendeu ainda que a Academia Militar deve ser “proativa a este respeito”, encarando a ligação à sociedade como “um investimento importante para o futuro da Defesa nacional”.

Às instituições de ensino superior militar cabe “afirmar as especificidades do pensamento e do ensino militar, ao mesmo tempo que beneficiam das abordagens multidisciplinares” e “experiências distintas” que a sociedade portuguesa integra, disse.

Como exemplo, o ministro propôs à Academia Militar que incorpore “na sua formação as questões de género e que aumente a presença feminina entre os seus alunos” — atualmente as mulheres representam 10% do total.

Gomes Cravinho destacou que a Academia Militar “tem sido pioneira” no ensino e investigação na área da ‘ciberdefesa’, com uma pós-graduação em articulação com o Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa.

O investimento na formação em ‘ciberdefesa’ está em sintonia com “as prioridades do país e da Defesa Nacional”, tal como na área da “liderança”, disse.

Antes, o diretor da Academia Militar, major-general Vieira Borges, referiu que, pelo terceiro ano consecutivo, a Academia Militar ultrapassou o milhar de candidatos, com 1.043 candidatos em 2018, que preencheram as 93 vagas autorizadas, 63 das quais para o Exército e 30 para a GNR.

Entre as prioridades para 2019, o diretor da Academia Militar apontou a “melhoria da qualidade da formação militar e comportamental dos alunos” com as “atualizações do novo paradigma da segurança e defesa”, visando o reforço da autonomia, da iniciativa e da inovação.

Mais investimento no corpo docente, em especial dos militares, o reforço das ciências militares e da investigação e a “melhoria da funcionalidade e habitabilidade das instalações” da Academia Militar nos aquartelamentos da Amadora e de Lisboa foram as outras prioridades definidas pelo general.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

As confusões do nepotismo na política /premium

Miguel Pinheiro
821

Pedro Nuno Santos escreveu que “ninguém deve ser prejudicado na sua vida profissional por causa do marido, da mulher, da mãe ou do pai”. Está quase tudo errado nestas 19 palavras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)