Papa Francisco

Papa recebe bispos chilenos para falar sobre medidas contra abusos

O pontífice da Igreja Católica vai receber um grupo de 8 bispos chilenos que vão apresentar as medidas tomadas face aos casos de abuso sexual por membros do clero, anunciou a Conferência Episcopal.

Os bispos que viajam para Roma são alguns dos membros da comissão permanente da CEC, uma instância composta por oito bispos e arcebispos.

MAURIZIO BRAMBATTI/EPA

O papa Francisco vai reunir-se, na segunda-feira, com um grupo de bispos chilenos que apresentarão as medidas tomadas face aos casos de abuso sexual por membros do clero, anunciou esta sexta-feira a Conferência Episcopal do Chile (CECh).

Num espírito de comunhão e colaboração com o papa, os bispos apresentarão as medidas em curso, compromissos e projeções”, disse a Conferência Episcopal do Chile em comunicado.

Os bispos que viajam para Roma são alguns dos membros da comissão permanente da CEC, uma instância composta por oito bispos e arcebispos.

A audiência com o pontífice, que foi solicitada pelo CECh em novembro, visa dar a conhecer ao papa “o caminho percorrido pela Igreja do Chile” desde o último encontro, em maio no Vaticano, entre o papa e os bispos chilenos.

Em janeiro, durante uma visita ao Chile, o papa encontrou uma população revoltada com a Igreja local e classificou de calúnias as acusações que pendiam sobre o bispo chileno Juan Barros de ter encoberto casos de abusos.

Mais tarde reconheceu que estava mal informado, enviou um especialista em crimes sexuais cometidos pelo clero para uma investigação mais séria, pediu desculpa às vítimas, no geral, e depois individualmente em audiências no Vaticano com algumas delas.

O que o seu enviado ao Chile veio a descobrir e a relatar acabou por desencadear uma renúncia em bloco dos bispos chilenos, sete foram aceites pelo papa, assim como um compromisso de reparação dos danos e de mudanças na Igreja.

As vítimas aplaudiram, e as autoridades policiais avançaram com uma investigação que ainda decorre e que já levou à identificação de mais de 200 vítimas e à abertura de 139 processos.

Em agosto, a poucos dias de uma visita à Irlanda, o papa escreveu a todos os católicos do mundo, condenando o crime de abuso sexual por parte de padres e exigindo responsabilidades.

Na carta, o papa Francisco pediu perdão pela dor sofrida e disse que os leigos católicos devem envolver-se na luta para erradicar o abuso e o seu encobrimento.

Com vergonha e arrependimento, reconhecemos, como uma comunidade eclesial, que não estávamos onde deveríamos estar, que não agimos da melhor forma, percebendo a magnitude e a gravidade dos danos que causámos a tantas vidas”, escreveu Francisco, acrescentando: “Nós não protegemos os mais pequenos, nós abandonámo-los”.

A 12 de setembro, o papa Francisco decidiu marcar uma cimeira sobre abusos, a realizar em fevereiro de 2019, convocando os presidentes de todas as conferências episcopais da igreja católica.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Três desafios para o 5.7

Alexandre Franco de Sá

Apesar das adversidades políticas, trata-se de despertar a direita acomodada e bocejante contra a hegemonia cultural de uma esquerda que, indisputada no espaço público, dociliza há décadas a sociedade

Deficientes

Adorável compromisso de lideranças /premium

Laurinda Alves

24 homens e mulheres que gerem 24 das maiores empresas que operam em Portugal assinaram um documento em que se comprometem a reforçar nas suas organizações a empregabilidade de pessoas com deficiência

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)