Cabo Verde

Cabo Verde celebra Dia da Liberdade e da Democracia com sessão solene e outras atividades

Cabo Verde celebra no domingo, pela terceira vez consecutiva, o 13 de janeiro, Dia da Liberdade e Democracia, com uma sessão solene especial no parlamento.

Ana Freitas/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Cabo Verde celebra no domingo, pela terceira vez consecutiva, o 13 de janeiro, Dia da Liberdade e Democracia, com uma sessão solene especial no parlamento e com outras atividades um pouco por todo o país.

O 13 de janeiro é a data em que, pela primeira vez, em 1991, os cabo-verdianos exerceram o seu direito de voto nas primeiras eleições multipartidárias, após 16 anos em regime de partido único.

As primeiras eleições multipartidárias no arquipélago foram ganhas pelo Movimento para a Democracia (MpD), partido que regressou em 2016 ao poder após 15 anos na oposição e ao qual a data está mais associada.

O dia já era feriado nacional, mas desde 2017 que o parlamento cabo-verdiano celebra a data com uma sessão solene especial, para reconhecer e dignificar uma das datas mais significativas para o país, a par do Dia da Independência, celebrado a 05 de julho.

A sessão, que é aberta ao público, está marcada para as 10:30 locais (11:30 em Lisboa) e contará com a presença das mais altas entidades do Estado, sendo presidida pelo Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca.

Vão ainda usar da palavra o presidente da Assembleia Nacional, Jorge Santos, e os representantes dos partidos com assento parlamentar.

O dia é assinalado um pouco por todo o país com muitas atividades políticas, culturais e desportivas, com destaque para a Corrida de Liberdade, organizada pela Câmara Municipal da Praia e que este ano terá como padrinho Neno, antigo futebolista português de origem cabo-verdiana.

A organização prevê a participação de mais de cinco mil pessoas na corrida, instituída em 2009 e que já trouxe à capital cabo-verdiana figuras do mundo desportivo a nível mundial, como o já falecido Eusébio, o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, o ex-futebolista Pedro Mantorras, o judoca Nuno Delgado ou as atletas Fernanda Ribeiro e Rosa Mota.

O dia 13 de janeiro marca também o início da Semana da República, iniciativa da Presidência da República, que vai até o domingo seguinte, Dia dos Heróis Nacionais, feriado nacional em Cabo Verde e na Guiné-Bissau que assinala o dia do assassinato de Amílcar Cabral, o patrono das independências destes dois países, a 20 de janeiro de 1973.

Uma das atividades da Semana da República será a realização de um encontro nacional de jovens, no Palácio da Presidência, em que o tema em debate será “Construção da paz e da democracia”.

Em Santa Catarina de Santiago, o dia vai ser assinalado com atividades desportivas na zona pedonal de Assomada, com o lema “Mexa-se pela liberdade”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Japão

Pegar o touro pelos cornos /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não deixa de ser irónico que as potências por detrás da intransigência doutrinária da Comissão Baleeira Internacional sejam as mesmas que, no século 19, exigiram ao Japão que lhes abrisse os portos...

Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)