CDS-PP

CDS quer “rejuvenescer parlamento” nas legislativas e listas aprovadas a 30 de março

249

O CDS-PP deverá aprovar a 30 de março as listas às eleições legislativas de outubro, disse a presidente do partido, com o objetivo de "rejuvenescer o parlamento" com "algum perfil mais independente".

NUNO ANDRÉ FERREIRA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O CDS-PP deverá aprovar a 30 de março as listas às eleições legislativas de outubro, anunciou este sábado a presidente do partido, Assunção Cristas, apontando o objetivo de “rejuvenescer o parlamento”, com “algum perfil mais independente”.

“Importante também temperar a experiência política e parlamentar com abertura a pessoas que, pela primeira vez, poderão estar no parlamento, nomeadamente com algum perfil mais independente e isso são tudo aspetos muito importantes, certamente procurando rejuvenescer”, anunciou Assunção Cristas.

No final de uma reunião do conselho nacional, esta tarde, em Oliveira de Frades, no distrito de Viseu, a líder do CDS-PP disse que, para as próximas eleições legislativas, marcadas para 06 de outubro, vai procurar candidatos também à “juventude popular” e às organizações autónomas do partido.

As linhas orientadoras para a seleção dos candidatos, explicou, “passam naturalmente, e em primeiro lugar, pelo mérito, pela experiência política, também pela experiência” nas várias áreas profissionais para que, continuou, o partido possa ter “um núcleo muito bom, muito capaz de cobrir todas as áreas de governação no parlamento”.

Ter a capacidade de ter um grupo parlamentar equilibrado e diverso para responder o melhor possível àquilo que são os grandes desafios que o país tem e que tem através do parlamento”, resumiu a líder do partido, que quer ser “a verdadeira alternativa de centro direita do país”.

Assunção Cristas aproveitou para manifestar “orgulho de ter o melhor grupo parlamentar no parlamento” e, por isso, quer “manter essa fasquia elevada: “Naturalmente com uma grande abrangência de representação geográfica e com equilíbrios do ponto de vista de idade e do género”.

O partido, explicou Cristas, está desde novembro de 2017 a reunir em todos os distritos, “num figurino inédito, a colocar questões aos oradores de fora do partido, independentes”, estando a “faltar apenas as regiões autónomas dos Açores e da Madeira, Vila Real e Portalegre”, para depois em 30 de março serem aprovadas as listas em Conselho Nacional, em Lisboa.

A líder considerou “muito importante” fazer as coisas “com antecedência, com serenidade, com muito trabalho de formiguinha, com muita ação no terreno”, até porque, no seu entender, não conhece outra receita e é isso que está “a fazer há muito tempo”.

Assunção Cristas adiantou que o partido “está um passo à frente” e que está “muito avançado no programa eleitoral” e, por isso, considerou que “com certeza, a alternativa passa” pelo CDS, que quer “disputar uma primeira escolha”, recusando-se a fazer comentários sobre o PSD, até porque, justificou, “são amigos”.

“É do CDS que me ocupo, sabendo que estamos a ser uma verdadeira alternativa de centro direita em Portugal, não nos revemos nas esquerdas unidas, não nos revemos num bloco central, não nos revemos numa solução que passe pelo Partido Socialista e, portanto, um voto no CDS não irá parar às mãos de um Governo de António Costa”, assumiu.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A reconstrução da direita /premium

Luís Rosa
301

A refundação da direita alargará o leque de escolhas dos eleitores. Optar entre socialistas e social-democratas não é verdadeiramente uma opção porque são duas faces do mesmo disco do rotativismo

CDS-PP

O peso das escolhas

Miguel Alvim

O único, exclusivo e fundamental ponto é este sinal imensamente negativo dado à sociedade: é que, afinal, parece que o cargo não executivo na Galp é mais importante do que ser vice-presidente do CDS.

Política

Três desafios para o 5.7

Alexandre Franco de Sá

Apesar das adversidades políticas, trata-se de despertar a direita acomodada e bocejante contra a hegemonia cultural de uma esquerda que, indisputada no espaço público, dociliza há décadas a sociedade

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)