Mário Centeno

Centeno. “Portugal deixou de ser tema de discussão no Eurogrupo”

115

Num balanço do seu primeiro ano no Eurogrupo, Centeno aplaude o facto de Portugal ter deixado de ser tema. "Apresentámos um caminho e foi seguido à risca": em outubro é altura de voltar a escolher.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

De Mário Centeno, ministro das Finanças português, para Mário Centeno, presidente do Eurogrupo. É assim que Mário Centeno fala em entrevista ao DN/TSF, publicada este sábado, onde se desdobra em elogios ao seu outro “eu”. O “desempenho de Portugal face às metas europeias está muito associado à minha eleição como presidente do Eurogrupo”, diz, afirmando que Centeno-ministro e Centeno-líder do Eurogrupo falam um com o outro “pelos números que vão mostrando”. O resultado melhor do que seu mandato, na sua opinião, é o  facto de hoje em dia Portugal já não ser “tema de discussão no Eurogrupo”, o que não acontecia quando chegou ao cargo, há um ano.

“Temos mostrado que estamos sempre muito para além e temos melhores resultados do que os que a Comissão Europeia a priori avalia. Este desempenho está muito associado à minha eleição como presidente do Eurogrupo, à valorização que é hoje feita de Portugal naquele fórum, e isso deixa-me muito contente”, começa por dizer, acrescentando depois que o elogio não vai só para si, mas vai sobretudo para “os portugueses”. São esses resultados, diz, que têm “permitido que o país tenha um prémio de dívida inferior ao da Itália e esteja a muito poucos pontos base e Espanha”, e são esses resultados que provam que “o mercado acredita muito na trajetória portuguesa”.

Questionado sobre o facto de, na discussão das carreiras da função pública, os sindicatos quererem muito mais do que o governo tem para oferecer, Mário Centeno refugiou-se no seu papel de presidente do Eurogrupo e não desvendou nada do processo negocial, limitando-se apenas a dizer que, em política económica, ganha-se quando se cumpre os resultados inicialmente estimados. “Em política económica e nestas negociações, o caminho pode ser mais ou menos difícil – nunca é muito fácil – mas ganha-se ou não se ganha quando seguimos o caminho que desenhámos e apresentámos”, diz, sublinhando o poder da “previsibilidade e da estabilidade”.

Num dos raros momentos em que falou como ministro das Finanças, Mário Centeno disse que em “outubro”, altura em que haverá eleições legislativas, os portugueses vão ser novamente chamados a “escolher”, e é essa escolha que definirá “o resto da trajetória”. “Foi essa batalha que ganhámos ao longo desta legislatura: apresentámos um caminho, ele foi seguido à risca, quem não acreditava nele de início viu que o governo estava a seguir esse caminho e foi-se juntando à ideia de que este é o caminho. Esse é o valor mais importante que Portugal conquistou nos últimos tempos”, disse.

Sobre a reforma do euro, Centeno faz um balanço positivo, mas lamenta que haja mais riscos externos. É o caso “do Brexit, da situação orçamental italiana e das decisões ao som de tweets da administração americana [dos Estados Unidos]”, diz, considerando que são decisões “legítimas” mas que causam alguma “frustração” porque “podia ser diferente”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

SNS, Público ou Privado?

Fernando Leal da Costa

Só com uma generalização obrigatória do modelo da ADSE poderemos colocar todo o sistema de saúde ao serviço de todos os portugueses e investir no SNS para aquilo em que ele for mesmo insubstituível.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)