Mário Centeno

Centeno. “Portugal deixou de ser tema de discussão no Eurogrupo”

115

Num balanço do seu primeiro ano no Eurogrupo, Centeno aplaude o facto de Portugal ter deixado de ser tema. "Apresentámos um caminho e foi seguido à risca": em outubro é altura de voltar a escolher.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

De Mário Centeno, ministro das Finanças português, para Mário Centeno, presidente do Eurogrupo. É assim que Mário Centeno fala em entrevista ao DN/TSF, publicada este sábado, onde se desdobra em elogios ao seu outro “eu”. O “desempenho de Portugal face às metas europeias está muito associado à minha eleição como presidente do Eurogrupo”, diz, afirmando que Centeno-ministro e Centeno-líder do Eurogrupo falam um com o outro “pelos números que vão mostrando”. O resultado melhor do que seu mandato, na sua opinião, é o  facto de hoje em dia Portugal já não ser “tema de discussão no Eurogrupo”, o que não acontecia quando chegou ao cargo, há um ano.

“Temos mostrado que estamos sempre muito para além e temos melhores resultados do que os que a Comissão Europeia a priori avalia. Este desempenho está muito associado à minha eleição como presidente do Eurogrupo, à valorização que é hoje feita de Portugal naquele fórum, e isso deixa-me muito contente”, começa por dizer, acrescentando depois que o elogio não vai só para si, mas vai sobretudo para “os portugueses”. São esses resultados, diz, que têm “permitido que o país tenha um prémio de dívida inferior ao da Itália e esteja a muito poucos pontos base e Espanha”, e são esses resultados que provam que “o mercado acredita muito na trajetória portuguesa”.

Questionado sobre o facto de, na discussão das carreiras da função pública, os sindicatos quererem muito mais do que o governo tem para oferecer, Mário Centeno refugiou-se no seu papel de presidente do Eurogrupo e não desvendou nada do processo negocial, limitando-se apenas a dizer que, em política económica, ganha-se quando se cumpre os resultados inicialmente estimados. “Em política económica e nestas negociações, o caminho pode ser mais ou menos difícil – nunca é muito fácil – mas ganha-se ou não se ganha quando seguimos o caminho que desenhámos e apresentámos”, diz, sublinhando o poder da “previsibilidade e da estabilidade”.

Num dos raros momentos em que falou como ministro das Finanças, Mário Centeno disse que em “outubro”, altura em que haverá eleições legislativas, os portugueses vão ser novamente chamados a “escolher”, e é essa escolha que definirá “o resto da trajetória”. “Foi essa batalha que ganhámos ao longo desta legislatura: apresentámos um caminho, ele foi seguido à risca, quem não acreditava nele de início viu que o governo estava a seguir esse caminho e foi-se juntando à ideia de que este é o caminho. Esse é o valor mais importante que Portugal conquistou nos últimos tempos”, disse.

Sobre a reforma do euro, Centeno faz um balanço positivo, mas lamenta que haja mais riscos externos. É o caso “do Brexit, da situação orçamental italiana e das decisões ao som de tweets da administração americana [dos Estados Unidos]”, diz, considerando que são decisões “legítimas” mas que causam alguma “frustração” porque “podia ser diferente”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Lisboa

Querido, mudei a Avenida!

Víctor Reis
121

O que se quer fazer no quarteirão da Portugália na Almirante Reis faz-nos regressar a um tempo do urbanismo alfacinha ultrapassado há mais de 30 anos: o casuísmo e desrespeito pela morfologia da cidade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)