Música

Cinco novos projetos musicais disputam final do Festival Termómetro em Lisboa

A final da 24.ª edição do concurso, que começa pelas 21:30, terá B Fachada como convidado especial. Os cinco finalistas foram escolhidos em nove eliminatórias, que decorreram noutras tantas cidades.

TIAGO HENRIQUE MARQUES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Os portugueses Gator, The Alligator e Maro, os espanhóis Músculo! e Kings of the Beach e os belgas Jaguar Jaguar disputam este sábado, no Cinema São Jorge, em Lisboa, a final do Festival Termómetro, criado em 1994.

A final da 24.ª edição do concurso, que começa pelas 21:30, terá B Fachada como convidado especial. Os cinco finalistas foram escolhidos em nove eliminatórias, que decorreram noutras tantas cidades portuguesas (São Miguel, Porto, Cascais, Viseu, Lisboa, Aveiro, Funchal, Évora e Faro).

No ano em que chegou pela primeira vez aos arquipélagos da Madeira e dos Açores, a participação no concurso foi reaberta a bandas de toda a Europa.

Os Gator, The Alligator são um quinteto (Eduardo da Floresta na guitarra, Ricardo Tomé no baixo, Filipe Ferreira na bateria e Tiago Martins na voz e guitarra) de Barcelos, que apresentou na eliminatória de Lisboa o álbum de estreia, “Life is Boring”.

Maro (Mariana Secca) é uma jovem lisboeta que editou no ano passado o primeiro álbum, sem título, dividido em três partes, que foi disponibilizando nas plataformas digitais. O álbum está organizado de forma cronológica e resume tudo aquilo que Maro compôs desde os primeiros temas da infância até 2017, ano em que terminou os estudos na escola de música de Berklee, nos Estados Unidos.

Os espanhóis Músculo! (Álvaro Blanco, Raúl Santiago, Javier Buela e Nicolás Nieto) formaram-se em 2012 em Valga, na Galiza, “com a intenção de misturar instrumentos analógicos com elementos eletrónicos e sempre à procura de novas texturas e estilos”.

Os Kings of the Beach, também da Galiza, mas de Vigo, caracterizam o seu som como “selvagem, rápido e ‘praieiro’, como ‘un sopapo en la cara'”. Formados em 2013, os Kings of the Beach são: Adrián Rodríguez (guitarra, voz), Yago Guirado (baixo, voz) e Samuel Otero (bateria).

A história dos belgas Jaguar Jaguar começa “durante uma viagem de duas semanas a uma casa perto do oceano em Empuria, Espanha”. “Tendo o sol do sul como fonte de inspiração, começaram a escrever canções que resultaram em faixas melódicas e cativantes que se adequam ao seu gosto pela diversão pura; vocais cativantes impulsionados por uma seção rítmica baseada em ‘groove’, unidos por sintetizadores sonhadores e sons de guitarra”, de acordo com a organização do concurso.

O vencedor terá atuações asseguradas nos festivais NOS Alive (que decorre de 11 a 13 de julho no Passeio Marítimo de Algés, concelho de Oeiras) e Bons Sons (que irá acontecer em agosto na aldeia de Cem Soldos, Tomar), vai gravar um ‘videoclip’ e terá acesso a 20 horas de gravação em estúdio.

O júri é constituído pelos promotores Álvaro Covões, Luís Montez e João Carvalho, pelo diretor do Bons Sons, Luís Sousa Ferreira, pelo jornalista Nuno Galopim, pelo radialista Henrique Amaro e pelos músicos Hélio Morais, Samuel Úria, Joaquim Albergaria, Ana Bacalhau, Pedro de Tróia, Pedro Mafama, João Vieira, Jorge Romão, José Pedro Leitão, David Santos e Alex D’alva Teixeira.

Desde 1994 participaram no Festival Termómetro mais de 500 bandas e artistas, entre os quais Ornatos Violeta, B Fachada, Capicua, DJ Ride, Mazgani, Ana Bacalhau, David Fonseca, Noiserv, Richie Campbell, Whales, Salto e Tatanka.

Em 2018, os vencedores foram os lisboetas quartoquarto.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)