Refugiados

Jovem saudita que fugiu da família consegue asilo no Canadá

600

Fugiu da família que estava de férias no Kuwait. Ficou retida na Tailândia onde se barricou num quarto de hotel. Perdeu o direito a viajar para a Austrália, mas conseguiu asilo no Canadá.

Rahaf Mohammed al-Qunun esteve barricada num quarto de hotel até ser ouvida pela agência dos refugiados das Nações Unidas

ROYAL THAI POLICE / HANDOUT/EPA

Rahaf Mohammed al-Qunun, a jovem saudita que atraiu as atenções internacionais depois de ter fugido da família Kuwait, chegou ao aeroporto de Toronto, onde foi recebida pela ministra dos Negócios Estrangeiros do Canadá, Chrystia Freeland.

“Ela fez uma longa viagem e está exausta, prefere não responder a perguntas agora”, afirmou Freeland aos numerosos jornalistas que aguardavam a jovem de 18 anos, que chegou sorridente, com um boné e um casaco com a palavra ‘Canadá’.

A jovem saudita, que disse fugir dos abusos físicos e psicológicos da sua família, obteve asilo do governo canadiano, liderado por Justin Trudeau.

Colocada sob a proteção do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR), na Tailândia, depois de ter divulgado o seu caso na rede social Twitter, Rahaf Mohammed al-Qunun afirmou que queria fugir dos maus tratos físicos e psicológicos infligidos pela sua família e pedir asilo, com a Austrália a aparecer numa primeira fase como possível destino.

No entanto, na sexta-feira, foi o primeiro-ministro canadiano a anunciar que o Canadá iria receber a jovem. “Concedemos-lhe asilo. Estamos satisfeitos por o ter feito, porque o Canadá é um país que mede até que ponto é importante defender os direitos das mulheres no mundo. E posso confirmar que aceitámos o pedido da ONU”, declarou Trudeu à comunicação social, pouco tempo depois de as autoridades tailandesas terem anunciado a partida de Al-Qunun para o Canadá, um país que mantém relações tensas com o reino saudita por causa dos direitos humanos.

Rahaf Mohammed al-Qunun estava de férias com a família no Kuwait quando tentou fugir para a Austrália — onde planeava pedir asilo — num voo que fez escala em Banguecoque. O passaporte da jovem foi apreendido no aeroporto impedindo-a de seguir viagem e as autoridades planeavam enviá-la de volta ao Kuwait para junto da família.

A jovem barricou-se num quarto de hotel no aeroporto enquanto ia comunicando com o mundo e pedindo ajuda via Twitter. Disse que só saia depois de ser falar com um representante da agência para os refugiados na Organização das Nações Unidas. E assim foi. Rahaf tinha visto para viajar para a Austrália, que parece ter sido revogado depois de a jovem ter ficado retida na Tailândia. O apelo que fez ao Governo do Canadá via Twitter acabou por ter uma resposta positiva.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Japão

Pegar o touro pelos cornos /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não deixa de ser irónico que as potências por detrás da intransigência doutrinária da Comissão Baleeira Internacional sejam as mesmas que, no século 19, exigiram ao Japão que lhes abrisse os portos...

Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)