Sporting

Nani, o filho que sempre regressou a casa, chegou aos 100 jogos no Campeonato

Extremo português assinalou frente ao FC Porto o jogo 100 na Primeira Liga. Nani, o filho que sempre regressou a casa mesmo não sendo pródigo, teve uma proposta da China mas deve ficar.

Depois de deixar em Alvalade em 2007, Nani esteve vários anos no Manchester United, voltou ao Sporting e ainda passou por Fenerbahçe, Valência e Lazio

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Qualquer dia em que se assinale uma marca relevante é especial. Para um jogador de futebol, qualquer dia em que se chegue ao jogo 100 numa competição, sempre com a mesma camisola vestida, é especial. Ora, este sábado, Nani chegou à centésima partida na Primeira Liga – o que significa também que chegou aos 100 jogos no Campeonato pelo Sporting, já que nunca representou outro clube em Portugal. E se o dia, por si só, já era especial pela marca redonda, tornou-se ainda mais memorável por ser dia e tarde de clássico. Faltaram, no caso do internacional português, os golos.

O extremo português de 32 anos, atualmente capitão do Sporting, foi titular na equipa de Marcel Keizer que este sábado recebeu o FC Porto e jogou os 90 minutos no apoio a Bas Dost, sempre em constante ligação com Bruno Fernandes, Wendel e Diaby, na toada ofensiva com vários elementos que o treinador holandês tem colocado em campo desde que chegou a Alvalade. Alvalade que, por sua vez, é a casa que viu Nani nascer e crescer para o futebol – português e internacional – e já testemunhou dois regressos do jogador.

Depois de ser lançado por José Peseiro em 2005, na primeira passagem do treinador português pelo Sporting, Nani saiu para o Manchester United em 2007, onde se juntou a Cristiano Ronaldo naquela que foi então a maior transferência de sempre dos leões (atualmente ainda é a terceira). O primeiro regresso aconteceu em 2014 e durou apenas uma temporada – o extremo conquistou uma Taça de Portugal, título que já tinha alcançado em 2006/07, e relançou a carreira, aceitando no final da época a proposta dos turcos do Fenerbahçe. Passou pelo Valência depois de sair da Turquia e ainda esteve um ano emprestado aos italianos da Lazio, até aceitar o convite feito por Sousa Cintra, durante o verão, para voltar ao Sporting e ajudar a recuperar uma equipa em período de reconstrução. Chegou a custo zero, assinou até 2020 e sem cláusula de rescisão.

Tirando o desentendimento com José Peseiro numa fase embrionária da temporada, que o deixaram fora das opções durante um jogo, Nani tem assumido a liderança do balneário e é agora opção inequívoca de Marcel Keizer num dos corredores do ataque. Talvez por isso seja quase certo que o extremo permaneça em Alvalade depois do final do mercado de transferências de janeiro – apesar da existência de uma proposta de um clube chinês, que seria financeiramente vantajosa para o internacional português. Como os leões só teriam direito a 60% do valor da transferência (a percentagem restante do passe pertence ao Valência, de onde chegou) e Nani tem atualmente uma importância maior no cerne do plantel leonino, dentro e fora das quatro linhas, é considerado imprescindível.

O extremo português, campeão da Europa com a Seleção Nacional em 2016, é o único jogador na equipa do Sporting a ter 100 jogos no Campeonato e atingiu essa marca num clássico sem golos com o FC Porto. De leão ao peito, Nani só conquistou duas Taças de Portugal: está agora a oito pontos da liderança, no quarto lugar, e a ver por um canudo a possibilidade de vencer já esta temporada o título nacional que escapa há 17 anos ao Sporting.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)