Rádio Observador

Futebol

Num dia especial para Ronaldo, a Juventus ganhou e as atenções foram para um miúdo de 18 anos

565

Cristiano Ronaldo recebeu a primeira de cinco Bolas de Ouro há exatamente dez anos das mãos de Pelé mas este ficará também como um dia especial para outro miúdo da Juventus: Moise Kean.

Moise Kean, o mais novo de sempre nascido em 2000 a jogar nas principais ligas, foi titular pela primeira vez esta época e marcou

AFP/Getty Images

Já foi há dez anos mas parece que foi ontem. Tanto ou mais do que o momento em que Pelé entregou a Cristiano Ronaldo a sua primeira Bola de Ouro da carreira, quando estava ainda no Manchester United, ficou aquela célebre frase “Podem soltar os fogos!”. Uns minutos depois, houve fogo de artifício na Madeira. Ficou como um capítulo histórico de uma carreira que ganhou proporções gigantescas, com mais quatro Bolas de Ouro ao serviço do Real Madrid, onde ganhou outras tantas Champions. Hoje, uma década depois, encontra-se numa nova realidade onde quer também fazer história. Mais história.

Depois da paragem nas competições internas no final do ano, a Juventus regressou aos compromissos oficiais com um triunfo fácil em Bolonha por 2-0, a contar para a Taça de Itália, onde Massimiliano Allegri aproveitou para poupar alguns elementos habitualmente titulares como Alex Sandro, Matuidi, Dybala, Mandzukic ou Cristiano Ronaldo. Objetivo? A Supertaça que, ao contrário do que aconteceu na maioria dos países europeus, não se realizou no início da temporada mas sim a meio. Frente ao AC Milan, o português pode ganhar o seu primeiro título na Vecchia Signora. Por isso, jogou este sábado só meia hora.

No entanto, e se hoje era um dia especial para o capitão da Seleção Nacional, também não mais será esquecido pelo jogador que substituiu esta noite aos 61′: Moise Kean, avançado de 18 anos que foi pela primeira vez titular e marcou um dos golos.

Nascido em Vercelli, filho de pais costa-marfinenses, o jovem prodígio começou a jogar no Asti, mudou-se logo em 2007 para o Torino e acabou por sair para o rival Juventus três épocas depois, quando tinha apenas dez anos. Cumpriu toda a formação no clube e, em novembro de 2016, tornou-se o primeiro jogador nascido em 2000 a participar num encontro a contar para uma das cinco maiores ligas europeias, sendo no final dessa época o primeiro também a marcar.

Depois de ter sido uma temporada emprestado ao Verona, e de ter estado em destaque no Campeonato da Europa Sub-19 (ganho por Portugal no prolongamento frente à Itália que tinha no avançado a sua principal figura), Moise Kean regressou a Turim e, depois de dois encontros como suplente utilizado, na Serie A e na Liga dos Campeões, foi pela primeira vez titular no ataque da Juventus, fazendo o 2-0 aproveitando de forma rápida um ressalto na área já depois de Bernardeschi, no seguimento de um erro da defesa visitada, ter inaugurado o marcador. Em paralelo, o jogador mereceu também a primeira chamada à equipa principal transalpina de Roberto Mancini, tendo sido utilizado no particular frente aos Estados Unidos em Genk.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Maternidade

Como dói um sonho quando morre /premium

Eduardo Sá

Arrasta-se para o carro. Chora, finalmente. Grita. Geme. Não acredita que nada daquilo esteja a acontecer. E confronta-se com o absurdo de ter um útero a servir de urna quando, antes, ele era só o céu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)