Rádio Observador

FC Porto

O empate com “sabor amargo” e a história em Alvalade que Sérgio Conceição não conseguiu mudar

202

Sérgio Conceição continua sem conseguir ganhar o Sporting em Alvalade. Para o técnico do FC Porto, a vitória seria o resultado mais justo, num jogo em que o Sporting foi "diferente" do que esperava.

Sérgio Conceição jogou pela sexta vez em Alvalade entre Campeonato e Taça de Portugal, somando três empates e três derrotas

AFP/Getty Images

Quatro equipas, cinco encontros, nenhuma vitória. Sérgio Conceição começou a carreira de treinador no Olhanense, passou a seguir pela Académica, fez depois uma temporada no Sp. Braga e outra no V. Guimarães, teve a primeira experiência lá fora pelos franceses do Nantes e regressou depois a Portugal para agarrar no FC Porto. Só pelos algarvios não chegou a jogar em Alvalade mas surgia neste clássico com esse desafio – quebrar a malapata nas partidas disputadas fora com os leões.

Depois do empate sem golos em 2013/14 pelos estudantes contra o Sporting de Leonardo Jardim, o atual técnico dos azuis e brancos sofreu duas goleadas com os conjuntos minhotos (4-1 com o Sp. Braga em 2014/15, 5-1 com o V. Guimarães em 2015/16) e voltou a ter outra igualdade a zero no primeiro clássico pelos dragões, a contar para o Campeonato. Mais tarde na última época, Sérgio Conceição sofreu ainda mais uma derrota, por 1-0, na segunda mão da meia-final da Taça de Portugal. Agora, voltou ao “amargo” nulo contra os leões e não foi desta que conseguiu mudar a história. No entanto, no final do jogo, o treinador do FC Porto trazia uma certeza: “A haver um vencedor seriamos nós, não tenho dúvidas. É um sabor amargo, queríamos muito ganhar e sentimos que fomos mais fortes. “.

“Queríamos vir aqui ganhar  jogo e preparamos a equipa para isso”, disse Sérgio Conceição na flash interview logo após o apito final, acrescentando, no entanto, que “não foi um jogo bem jogado”. “Podíamos e devíamos ter mais paciência com bola. Foi muito equilibrado na primeira parte, na segunda foi diferente. Estivemos por cima e tivemos as melhores ocasiões”, referiu. E o treinador não escondeu que encontrou um Sporting diferente, mais cauteloso, do estava à espera: “Preparámos o jogo em função do que foi o percurso deste treinador no Sporting mas deparámo-nos com uma situação diferente. Como equipa grande, campeões e primeiros classificados, temos de encontrar forma de tornear estas dificuldades”.

Por achar que a vitória seria o desfecho mais justo, Sérgio Conceição viu o jogo pela lógica do copo meio vazio, considerando que “a equipa perdeu dois pontos e não ganhou um”. Na primeira parte do clássico, referiu durante a conferência de imprensa, o jogo foi “equilibrado, sem grandes situações de finalização”, mas a segunda metade trouxe uma mudanças e uma visão de jogo diferente, onde os dragões estiveram “sempre por cima do jogo” e o Sporting “foi algo descontrolado”.

O empate com o Sporting traz outro peso para os portistas: vem colocar um ponto final nas 18 jornadas consecutivas a ganhar, um número que até esta segunda-feira só Jorge Jesus tinha alcançado com o Benfica em 2010/2011. Num balanço da primeira volta do Campeonato, o treinador mostrou-se cauteloso com a vantagem de cinco pontos que leva do segundo lugar, ocupado pelo Benfica, e recordou que na época passada o FC Porto terminou a primeira volta com 45 pontos, mais dois do que os que tem agora. “Somos candidatos [ao título] como os outros, mas estamos em primeiro”, referiu. “Acho que não vai haver um campeão como no ano passado, a fazer 88 pontos. Está mais difícil”, alertou, lembrando ainda que “ainda há muito ponto para disputar” e que o Sporting não está fora da luta pelo título “de maneira nenhuma”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)