PSD

Paulo Rangel considera que Rui Rio demonstrou “coragem” e “bom senso”

O eurodeputado do PSD elogiou o presidente do partido, considerando que demonstrou sentido de Estado", e defendeu que "não é bom nem positivo" abrir uma crise política a meses de eleições.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O eurodeputado do PSD Paulo Rangel elogiou este sábado o presidente do partido, considerando que demonstrou “coragem”, “bom senso e sentido de Estado”, e defendeu que “não é bom nem positivo” abrir uma crise política a meses de eleições.

“Abrir uma crise política em pleno período eleitoral, a meio do mandato, sem haver nenhum acontecimento excecional, sinceramente é algo que é inédito e não é bom nem é positivo”, afirmou Paulo Rangel, em declarações transmitidas pela SIC num jantar organizado pela distrital da Guarda do PSD.

Paulo Rangel elogiou a declaração de Rui Rio, que ao final da tarde anunciou, no Porto, que recusava o repto lançado na véspera por Luís Montenegro de convocar eleições diretas antecipadas, ma


pediu a convocação de uma reunião extraordinária do Conselho Nacional para votar uma moção de confiança à direção.

Julgo que hoje o presidente do partido, de uma forma muito clara e determinada, pôs as coisas no seu lugar, mostrou bom senso, sentido de Estado, sentido de responsabilidade, mas, ao mesmo tempo, coragem no sentido de dizer: então vamos clarificar as coisas e arrumar esse assunto”, referiu o eurodeputado e cabeça de lista do PSD nas europeias em 2009 e 2014.

Já na sexta-feira à noite, em entrevista ao “Programa das 9”, na TVI 24, Rangel tinha classificado como anormal que “em pleno período eleitoral” o PSD entrasse “numa discussão interna enquanto os outros partidos estão a fazer campanha eleitoral”.

“Isto cria uma crise política que deixa o partido numa situação difícil”, referiu, admitindo estar surpreendido com a posição de Luís Montenegro.

Na sexta-feira, o antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro manifestou disponibilidade para se candidatar à liderança e desafiou Rui Rio, que completa no domingo um ano de mandato, a convocar eleições diretas antecipadas de imediato.

“A minha resposta é não”, afirmou hoje Rui Rio, em relação ao repto de convocar eleições, anunciando, por outro lado, que pediu a convocação de um Conselho Nacional extraordinário para que o órgão aprecie e vote uma moção de confiança à sua direção.

“Se for esse o seu entendimento, o Conselho [Nacional] pode retirar a confiança à direção nacional e assumir democraticamente a responsabilidade de a demitir. Se os contestatários não conseguiram reunir as assinaturas para a apresentação de uma moção de censura, eu próprio facilito-lhes a vida e apresento […] uma moção de confiança”, referiu o presidente do PSD.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

As confusões do nepotismo na política /premium

Miguel Pinheiro
821

Pedro Nuno Santos escreveu que “ninguém deve ser prejudicado na sua vida profissional por causa do marido, da mulher, da mãe ou do pai”. Está quase tudo errado nestas 19 palavras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)