Atletismo

Sporting domina campeonatos nacionais de estrada

1.138

As equipas masculina e feminina do Sporting sagraram-se este sábado campeãs portuguesas de estrada de atletismo, com Rui Pinto e Catarina Ribeiro a vencerem individualmente.

PHIL NOBLE / POOL/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

As equipas masculina e feminina do Sporting sagraram-se este sábado campeãs portuguesas de estrada de atletismo, com Rui Pinto e Catarina Ribeiro a vencerem individualmente.

Com partida e chegada na pista de honra do Estádio Nacional, no Jamor, os Campeonatos Nacionais de Estrada tiveram duas corridas diferentes, mas com resultados idênticos no final.

Na corrida feminina, logo desde o início, as atletas do Sporting alcançaram as posições cimeiras, até que ficaram na frente Sara Moreira e Catarina Ribeiro, que foram marcando um ritmo forte.

Catarina Ribeiro conseguiu lograr vantagem suficiente para atacar a subida final na frente, entrando na pista com larga vantagem sobre Sara Moreira, que cortou a meta 37 segundos depois da colega.

Catarina Ribeiro venceu, na segunda vez que subiu ao pódio (foi segunda em 2017), enquanto Sara Moreira ficou pela sexta vez na segunda posição. De forma surpreendente, a angolana Neide Dias, do Benfica, subiu ao pódio na terceira posição.

Mais para trás lutava-se pelo pódio coletivo, com as atletas do Sporting a tentarem chegar nos dez primeiros lugares, o que viria a acontecer com o nono posto de Daniela Cunha, com o Sporting a somar 18 pontos, revalidando o título do ano passado, de novo à frente do Recreio de Águeda, com Sporting de Braga em terceiro.

A corrida masculina, que se iniciou 15 minutos depois, mostrou uma corrida muito serena e convicta de Rui Pinto, que desde o início marcou o ritmo da competição, para se mostrar mais forte na subida final e cortar a meta com sete segundos de vantagem sobre o jovem sportinguista Miguel Marques.

Este foi o primeiro triunfo de Rui Pinto nestes campeonatos depois de ter sido segundo em 2015 e terceiro no ano passado. Miguel Marques acabou por ser um inesperado segundo classificado, a liderar o Sporting para um título coletivo esperado, pese embora ter perdido algumas unidades como Rui Pedro Silva e Licínio Pimentel, mas com o quarto elemento a pontuar para a equipa a chegar no sétimo posto. Subiram ao pódio, as equipas do Sporting de Braga e do Maia AC.

Mais surpreendente foi o terceiro posto de Bruno Paixão, do Beja. O atleta alentejano, de Portalegre, bem conhecido nas provas de estrada, impôs-se mesmo a um corredor sueco, que correu extra, e a Hermano Ferreira.

Principais resultados:

Femininos:

1. Catarina Ribeiro (Sporting), 32.46 minutos

2. Sara Moreira (Sporting), 33.23

3. Neide Dias (Benfica), 34.10

4. Cátia Santos (Estreito), 34.30

5. Susana Cunha (Águeda), 34.35

6. Ana Ferreira (Sporting), 34.40

7. Emília Pisoeiro (Águeda), 34.54

8. Carla Martinho (Águeda), 25.20.

Por equipas:

1. Sporting, 18 pontos

2. Recreio de Águeda, 50 pontos

3. Sporting de Braga, 58 pontos.

Masculinos:

1. Rui Pinto (Benfica), 29.37 minutos

2. Miguel Marques (Sporting), 29.44

3. Bruno Paixão (Beja AC), 29.47

extra – David Nilsson (Suécia), 29.48

4. Hermano Ferreira (Casaense – EAC), 29.52

5. Alberto Paulo (Sporting), 29.58

6. Rui Teixeira (Sporting), 30.07

7. Hélder Santos (Sporting) 30.18.

Por equipas:

1. Sporting, 20 pontos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)