Suíça

Trotinetes elétricas da Lime retiradas na Suíça por falhas de segurança

Cotovelo partido, ombro deslocado, arranhões e nódoas negras são alguns dos resultados das falhas nas trotinetes elétricas que paravam abruptamente nas cidades de Zurique e Basileia. Foram retiradas.

A Lime, a empresa norte-americana que tem trotinetes elétricas em várias cidades — incluindo Lisboa —, retirou todos os aparelhos nas cidades de Zurique e Basileia, na Suíça, por falhas de segurança, segundo comunicado da imprensa citado pelo Techcrunch. As trotinetes paravam abruptamente no meio de uma viagem, projetando os passageiros.

“A investigação está em curso. Depois das primeiras pistas, estamos atualmente a investigar se uma atualização do software pode estar a reiniciar o sistema durante a viagem, desencadeando a proteção antirroubo”, escreveu a empresa no comunicado. “Já tomámos medidas para assegurar que isto nunca mais vai acontecer. De qualquer forma, estamos a testar cada aparelho cuidadosamente para assegurar que não restam problemas no software e no hardware.”

Em novembro de 2018, o velocímetro falhou, o aparelho travou a roda da frente e o ocupante foi projetado partindo o cotovelo. Felizmente, a queda aconteceu em frente ao hospital — curiosamente, onde o médico trabalha. O problema é que entre cirurgia, internamento, fisioterapia e recuperação total, o médico vai ficar vários meses sem conseguir cumprir as suas funções em pleno.

Outro utilizador descia uma rua a 25 quilómetros por hora quando a trotinete deixou de funcionar. Quando a roda da frente ficou totalmente bloqueada, o especialista em computação foi lançado e deslocou um ombro. “No meio do azar, eu tive sorte. Mas as pessoas podem morrer num acidente destes”, disse, citado pela Watson. Um terceiro utilizador, também projetado, ficou com arranhões e nódoas negras.

Uma falha nos travões — ainda que não esteja relacionada com os problemas na Suíça — também fez cair um cidadão português em Lisboa, Paulo Simão Caldas, advogado de 57 anos, partiu o braço, uma costela e fez um traumatismo craniano, noticiou a Sábado.

Não por falhas de segurança dos equipamentos, mas em parte por utilização indevida dos mesmos, já houve pelo menos duas mortes em Espanha, ambas em Barcelona. Uma delas, de uma mulher que conduzia a trotinete numa estrada e foi atropelada por um camião. Outra, de uma idosa que foi atropelada por uma trotinete a 30 quilómetros por hora numa rua pedonal no centro da cidade. Espanha não tem legislação específica para estes veículos, permitindo que possam circular nos passeios, mas Barcelona proibiu a circulação no centro da cidade e Madrid também proibiu a circulação das trotinetes elétricas.

Em França, o governo proibiu que as trotinetes andem nos passeios. Em Portugal, existe legislação específica para estes veículos a motor, que também não podem circular nos passeios, mas o facto de poderem ser deixados em qualquer também tem causado algumas reclamações entre as pessoas.

As falhas de segurança da Lime não são, contudo, uma novidade europeia. Também em outubro, o risco de explosão das baterias levou à recolha de 2 mil trotinetes elétricas da Lime nos Estados Unidos. A empresa garantiu que nenhum utilizador tinha sido colocado em risco. O risco deste tipo de defeito, no entanto, não se restringe apenas a quem viaja nas trotinetes, mas também aos “juicers” — pessoas que não são funcionários da empresa, mas que recolhem as trotinetes e as carregam. As baterias podiam explodir-lhes em casa.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Redes Sociais

Bullying aos adolescentes /premium

Maria João Marques

Adultos que esmagam nas redes sociais adolescentes só porque estes foram tontos e desmedidos (como os adolescentes normais são) são bem mais perigosos e daninhos que qualquer adolescente provocador.

Ensino Superior

As propinas: uma história muito mal contada

Jose Bento da Silva

A questão não são as propinas. Isso é de fácil resolução. O desafio é: qual o modelo de gestão que queremos para as nossas universidades? O modelo atual não passa de um circo pago pelos contribuintes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)