Rádio Observador

Museus

E se os museus do mundo decidissem fazer um desafio no Twitter? O resultado está à vista

Os patos quando grasnam têm eco. E muito. Basta ver o resultado que teve um desafio lançado no Twitter por um museu britânico.

Se é para falar de patos, então é melhor não esquecer o Pato Donald

VCG via Getty Images

“Hey British Museum, deem-nos o vosso melhor pato.” O desafio foi lançado pelo museu da vida rural britânica — The Museum of English Rural Life —, mas o alcance extravasou (e muito) as portas dos dois museus citados.

Se é um mito que o “quac” dos patos não produz eco, o “eco” alcançado por este desafio está à vista: à hora em que foi publicado este artigo já contava com mais de mil respostas que, como deve imaginar, não vamos conseguir reproduzir aqui — nem que a vaca tussa (ou que o pato grasne).

O Museu Britânico respondeu à letra, como o melhor que tinha: um recipiente para cosméticos, do antigo Egito, datado de 1.300 a.C.. A resposta não deixava espaço para patinhos feios. A resposta do The Museum of English Rural Life também não se fez esperar e surgiu na forma de uma plaina (uma ferramenta para trabalhar madeira), com cabeça de pato, do século XIX.

O mais importante era que todos os museus e internautas se preparassem convenientemente para a batalha e começassem a usar as suas melhores armas, “quacs” ou qualquer patacoada que lhes aprouver.

Ainda bem que o Sherlock Duck se juntou à festa, porque encontrar o pato certo, o pato escondido ou o melhor dos melhores pode não ser uma coisa assim tão fácil. Os museus Senckenberg estão em pânico, parecem ter perdido o deles. Já o Museu da Zoologia Comparativa tem muitos à escolha.

A revista da Sociedade de Psicologia Britânica também encontrou um, mas está com dúvidas: é que este pato também pode ser um coelho. Será que conta?

Houve quem receasse ter-se atrasado, incluindo o Museu do Louvre, em França, a Biblioteca Nacional da Escócia e o navio Brunel’s SS Great Britain (o primeiro transatlântico a ter um casco e uma hélice propulsora de ferro). Mas um bom pato vem sempre a tempo.

O Museu Spadina também tinha patos para mostrar, mas não no seu melhor ângulo.

E até o Museu das Marcas quis entrar na corrida.

Mas se queremos falar de patos, de muitos patos, talvez também valha a pena lembrar os patos de plásticos que caíram de um navio no oceano Pacífico e que foram espalhados pelas correntes oceânicas.

Três patas são melhor que duas e quatro melhor que três

Quando se fala de museus, em especial de museus de história natural, a probabilidade de se encontrem animais em frascos de vidro com mutações insólitas é elevadíssima. E as publicações no Twitter, em resposta ao The Museum of English Rural Life, só o veio demonstrar.

Dos patos com três ou quatro pernas aos fetos em frascos, as imagens que se seguem podem não ser agradáveis para as pessoas mais sensíveis, mas serão certamente interessantes para quem se deixa fascinar com as surpresas da natureza.

O Museu Grant de Zoologia, do University College de Londres, não se queria gabar, mas não resistiu a pôr um pato com quatro patas.

Mais e mais patos em todos os tipos de suportes

Fotografias, pinturas, loiças, tecidos e bijuteria. Desfrute de mais imagens, vai-lhe saber a pato.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)